Clicky

INOVAÇÃO

BC simplifica regra para fintechs em consulta pública do Open Banking

Convergência Digital* ... 10/07/2020 ... Convergência Digital

A consulta pública aberta pelo Banco Central obre propostas de alterações na regulamentação de instituições de pagamento, com destaque para o iniciador de transação de pagamentos, uma nova modalidade de instituição de pagamento que possibilitará ao consumidor efetuar pagamentos utilizando meios diferentes dos tradicionais, aberta nesta quinta-feira, 09/07, e que trata do Open Banking, traz uma novidade para as fintechs.

A autoridade Monetária dispensou as fintechs do tipo Sociedade de crédito direto que prestam serviços como emissores de instrumento de pagamento pós-pago do requerimento de prévia autorização deste Banco Central para a prestação desse serviço. A norma também passa a exigir que as instituições de pagamento emissoras de moeda eletrônica solicitem autorização para funcionar ao BC antes de iniciar suas atividades. Atualmente, a regulamentação não exige a autorização prévia do BC para as instituições emissoras de moeda eletrônica de menor porte.

Segundo o BC, é necessário padronizar a regra de acesso ao sistema de pagamentos para 'mitigar as assimetrias de oportunidades nas condições mercadológicas desse modelo de negócio que gerencia conta pré-paga, aperfeiçoam-se o monitoramento das transações, notadamente na prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, e aprimora-se a gestão de risco de parte da poupança popular.'

A consulta pública vai até o dia 08 de agosto. A regulamentação dessa nova modalidade de instituição de pagamento estava prevista no projeto do open banking conforme pode ser visto no Comunicado nº 33.455, de 24/4/2019, e na Consulta Pública nº 73 de 2019, em função das possibilidades criadas pelo ecossistema do Open Banking. Quando o sistema financeiro aberto for implementado, as interfaces tecnológicas do mundo financeiro estarão interligados. Assim, a etapa de iniciar o pagamento poderá ser desassociada da cadeia tradicional.

As instituições autorizadas pelo BC a prestarem serviço de pagamento poderão realizar a função de iniciar pagamentos normalmente, sem necessidade de nova autorização. A diferença é que, após a edição da norma que está em consulta pública, passarão a competir com novos atores no mercado, cuja atuação depende de autorização do BC. Essa competição tem o potencial de estimular novos modelos de negócio e baratear custos para o consumidor.


Cloud Computing
Banco Modalmais compra startup de análise de dados

Refinaria de Dados, criada em 2017, já desenvolveu mais de 900 algoritmos de machine learning a partir da mineração dos dados. Objetivo do ModalMais é ser uma instituição data driven, ou seja, uma empresa com decisões guiadas por dados. O valor da compra não foi revelado pelas partes.

Transformação digital: um movimento com vencedores e perdedores

A afirmação é do cofundador da Decoupling.co, Thales Teixeira, sobre a digitalização do mundo acelerada pela Covid-19. Para o especialista, 2025 já chegou e exige uma readequação imediata das empresas por sobrevivência.

Governo destinou quase R$ 100 milhões para projetos de cidades inteligentes

O secretário Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano, Tiago Queiroz, disse que há projetos especiais como o água 4.0 e saúde 4.0. A deputada federal do PP/SC, Angela Amin, reforçou que as pessoas são a síntese das cidades inteligentes e é preciso um esforço para capacitar gestores públicos municipais e estaduais.

IA² MCTI lança edital voltado para inovação aberta com Inteligência Artificial

Já está disponível para consulta o edital de seleção das 15 empresas âncora do IA² MCTI, programa de aceleração tecnológica em inteligência artificial que visa aumentar a competitividade brasileira através da inovação aberta.

Dataprev cria Centro de Excelência em Internet das Coisas no Ceará

Estatal de TI montou uma Unidade de Desenvolvimento para experimentos e simulações em IoT voltada à transformação digital e ao Plano Nacional de Internet das Coisas.

Lei do Bem movimenta R$ 15 bilhões e é principal estímulo à inovação

Segundo MCTI, cada R$ 1 em renúncia fiscal virou R$ 3,50 em investimentos. Dados relativos a 2019 indicam que regime beneficiou 2.288 empresas, em 12 mil projetos. 



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G