Home - Convergência Digital

Celulares dobráveis dão respiro esperado à indústria de smartphones

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 07/03/2019

Os celulares dobráveis, como MATE X, apresentado pela Huawei, no Mobile World Congress, em Barcelona, foram o passo de inovação esperado para os smartphones, observa o analista de dispositivos móveis da IDC América Latina, Ricardo Mendoza. Mas há ainda pontos a serem superados, entre els, as próprias possibilidades de uso e o alto custo.

"Grande parte da superfície do celular dobrável é formada pela tela, componente mais sensível do equipamento e suscetível a quebra”, explica o analista. “A principal aposta das marcas com esses telefones dobráveis está no consumo de conteúdo em streaming e para jogos digitais, ambos acompanhados de conectividade (4G, 4,5G, 5G)”, acrescenta Mendoza.

No Brasil, O MATE X deve ficar disponível para testes das operadoras já em abril, mas a comercialização só deve acontecer no começo de 2020, segundo explicou o diretor executivo de Business Network Consulting da fornecedora chinesa para a América Latina, Guillermo Solomón. O MATE X já será compatível 5G e estará apto a funcionar na faixa de 3,5GHz, a primeira a ser leiloada no Brasil - a disputa está agendada pela Anatel para março de 2020. Com relação ao custo, o preço será bastante salgado - na Europa custará mais de 2 mil euros, ou algo em torno de R$ 10 mil no Brasil.

Para a IDC Latin America, os smartphones dobráveis também devem se adaptar a uma economia de escala; ou seja, pode-se considerar que o custo atual está relacionado à sua recente chegada no mercado, embora um smartphone com tela maior sempre implicará em um custo final maior. “Aliado ao 'boom' das telas, recursos biométricos também estão sendo implementados para garantir a segurança do equipamento e para proteger os dados do usuário, que é um problema atual e também será no futuro”, afirma Mendoza.

Para o analista da IDC, atualmente a inteligência artificial está focada nas câmeras (captura de imagens) e na bateria, mas está se dirigindo para o comportamento de uso do usuário. Saber quais aplicativos são usados e sua frequência, para conseguir prever e ajudar o usuario, é uma tendência que deve se desenvolver em maior escala até 2020.

A realidade virtual está ganhando força, não apenas em equipamentos premium, mas em dispositivos de custo médio, acrescenta o especialista da IDC. “As funções criativas dos smartphones fazem deles um instrumento diferente e permitem passar do mundo físico para o mundo virtual e vice-versa", conclui Mendoza.

*Com informações da IDC América Latina









Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

03/07/2019
Embargo dos EUA à Huawei pesa no bolso e reduz o lucro da Samsung

01/07/2019
Trump cede à pressão interna e autoriza venda de produtos à Huawei

26/06/2019
Governo de Brasília retoma Parque Tecnológico com laboratório de 5G e incubadora

24/06/2019
Huawei: "Vamos manter os altos investimentos em 5G"

17/06/2019
Nuvem é motor do crescimento futuro da Huawei

07/06/2019
Brasil não vai barrar Huawei, diz vice-presidente Hamilton Mourão

06/06/2019
Google Brasil endossa que Huawei não respeita política de privacidade

06/06/2019
Bloqueada nos EUA, Huawei anuncia acordo com a Rússia para 5G

06/06/2019
Ao Procon, Google diz que Huawei só atualiza Android até 19 de agosto. Fabricante assegura serviços

31/05/2019
Dell perde receita e reclama da pressão de Trump sobre empresas chinesas

Destaques
Destaques

Varejo x bancos: carteira digital vira superaplicativo

Superados os obstáculos iniciais, mercado não financeiro acelera estratégia para ficar com preferência dos consumidores.

Para injetar R$ 200 bilhões na economia, IoT tem de ficar livre das amarras tributárias

Relator da proposta de tributo zero para Internet das Coisas, deputado Eduardo Cury, do PSDB/SP, disse que o setor precisa municiar o Parlamento com dados para convencer à Casa a conceder a desoneração.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

O potencial pouco explorado da Internet das Coisas

Por Daniel Kriger*

A grande mudança que a Internet das Coisas (IoT – Internet of Things) trará para a vida das pessoas está além da facilidade de se preparar um café, programar um banho quente ou economizar na conta de luz. Dar conectividade a objetos e abrir espaço para comandos inteligentes em inúmeras tarefas do dia a dia é um dos principais propósitos de IoT. Mas não é só isso.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site