Clicky

Idec, TelComp, Algar, Sercomtel e Neo pedem ao Cade para barrar venda da Oi Móvel

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/04/2021 ... Convergência Digital

Terminou à meia noite desta quinta-feira, 15/4, o prazo para os pedidos de terceiros interessados em ingressar no processo sobre a venda da Oi Móvel e seu fatiamento entre Vivo, Claro e TIM. Como resultado, Idec, TelComp, Algar, Sercomtel e Associação Neo apresentaram-se ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica. 

Em que pese algumas variações nos argumentos, todos são unânimes em rogar ao tribunal da concorrência que rejeite a operação, diante das evidências de que a redução de quatro para três operadoras de porte nacional terá efeitos negativos para o mercado e para os consumidores. 

“Para além da preocupação do ponto de vista dos competidores, há grande impacto no bem-estar do consumidor. A operação potencialmente reduzirá a diversidade de oferta e aumentará preços, sem necessariamente acarretar em aumento da qualidade dos serviços”, anotou o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Idec. 

Com números, experiências internacionais e até mesmo com informações das próprias compradoras, as empresas e entidades descrevem o resultado como um reforço ao já restrito mercado brasileiro de telefonia móvel, visto a concentração envolvida. 

“As empresas Oi, TIM, Telefônica e Claro representam, atualmente, cerca de 98% do mercado nacional de Serviço Móvel Pessoal, de modo que a presente operação, além de representar a eliminação de um player relevante, também eleva os níveis de concentração de um mercado já oligopolizado”, alega a manifestação apresentada pela Algar. 

Nessa linha, a Sercomtel emenda que “a Operação não é um movimento em direção ao ganho de eficiências no mercado brasileiro – eficiências que as Requerentes sequer explicam ou discutem. Mas simplesmente um forte aumento de concentração e eliminação de um player relevante em formato que impede a entrada ou fortalecimento de outros players. O aumento na concentração nos mercados de atacados – convenientemente omitidos – é ainda maior diante da extensão dos acordos de RAN sharing existentes. Aqui, não se trata de redução de 4 para 3, mas de 4 para 2,5, se tanto”. 

Por esse motivo também a associação das prestadoras competitivas, Telcomp, ecoa o apelo para o Cade avaliar com lupa o pleito das grandes teles. “O Cade deve analisar a Operação ora proposta minuciosamente e sob um olhar bastante crítico. A Operação – já inserida em um movimento de progressivas concentrações do mercado nacional de SMP – não deve ser admitida pelo Cade, pois reforça – substancialmente – o poder unilateral de mercado de Claro, Telefônica e TIM, o qual será exercido – conforme indica a experiência internacional – a partir de aumento de preços pelas Compradoras e, por conseguinte, de seus respectivos lucros.”

A Associação Neo destaca que o acerto entre as três maiores operadoras móveis do país já deve acender um sinal de alerta, por se tratar de “inédito movimento de coordenação”. E completa valendo-se de argumentos já apresentados pelas próprias interessadas em outros atos de concentração no mercado de telecom avaliados pelo órgão antitruste. 

A Neo lembra que Vivo e TIM sustentaram junto ao mesmo Cade que a compra da Nextel pela Claro já seria ruim para a concorrência – até com indicações de que poderia ensejar um duopólio. E, da mesma forma, a Claro disparou contra o acordo de RAN Sharing entre Vivo e TIM, alegando que nem mesmo a Anatel seria capaz de evitar bloqueio de acesso e outros interessados. 

“Cabe destacar que as operações mencionadas, tão criticadas pelos membros do Consórcio por despertarem riscos de fechamento de acesso à infraestrutura de rede e ao espectro destinado ao SMP, eram substancialmente menos graves que a presente Operação, que efetivamente eliminará um dos pilares da já limitada rivalidade atualmente existente em um mercado oligopolístico.”


Internet Móvel 3G 4G
Itaú Unibanco e Vivo Empresas testam agência bancária com 5G

Tecnologia foi implantada em uma agência localizada no Brooklin, bairro da zona sul da capital paulista, por meio de uma licença experimental da Anatel, na frequência de 3,5GHz.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

TIM emite R$ 1,6 bilhão em debêntures vinculadas à ESG

Operação é a primeira realizada por uma empresa de telecomunicações no país. Tele diz que todos os recursos arrecadados serão investidos em infraestrutura, em especial, no 5G.

Justiça condena Claro e Mercado Pago a indenizar dono de celular sequestrado

Jusitça usou o Código de Defesa do Consumidor como base para estabelecer a punição aos prestadores de serviços. Consumidores tiveram telefone registrado em outro chip e dinheiro sacado de plataforma de intermediação de pagamentos.

Pernambucanas investe em chip próprio de telefonia móvel

Varejista investe em telefonia MVNO em parceria com a Surf Telecom. Modelo de negócio não exige fidelidade e não cobra multas e não há plano fixo.

Anatel busca consultoria para implementar acesso dinâmico a espectro

Contratação será feita pela União Internacional de Telecomunicações e envolve análise do arcabouço normativo e proposta de novas possibilidades de regulação.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G