Convergência Digital - Home

Brasil fica nas últimas posições em ranking mundial de uso de Big Data e Analytics

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 03/06/2019

O Brasil subiu uma posição, mas continua entre os cinco países menos competitivos do ranking Anuário de Competitividade Mundial 2019 (World Competitiveness Yearbook), realizado pela escola suíça IMD e, no Brasil, em parceria com a Fundação Dom Cabral. Na lista, que avalia 63 países, o Brasil ficou em 59º lugar: em relação a 2018, houve um ganho de três posições.

De acordo com Carlos Arruda, diretor do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral e coordenador do estudo no Brasil, o avanço do país no ranking está relacionado à simplificação dos marcos regulatórios no país — entre eles a redução no número de dias para abertura de empresas (20,5 dias em 2019 contra 79,5 dias em 2018, tomando como base a cidade de São Paulo) e para exportação de serviços ligados à tecnologia da informação (55,9 em 2017 contra 54,7 em 2016).

“O ganho de posição se deve também a uma melhora nos investimentos estrangeiros diretos, US$ 88 bilhões em 2018 contra US$ 70,33 bilhões em 2017. Mas o alto nível de desemprego puxa para baixo os indicadores de desenvolvimento econômico”, acrescenta o coordenador. O Brasil ficou em último lugar (63ª) no quesito spread da taxa de juros (taxa média de 32,21% ao ano em 2018, enquanto a média de todos os países pesquisados é de 3,89%). Também teve desempenho ruim nos fatores ligados à relação entre setores público e privado: compliance dos contratos públicos (62º), burocracia (62º), equidade de oportunidades (62º), e balanço das contas governamentais (62º), corrupção (58º), transparência (51º).

“Corremos o risco de perder a força da capacidade empresarial de longo prazo e ficarmos igual à Argentina: com baixa eficiência do setor produtivo", afirma Arruda. O professor diz que o cenário negativo é comum à América Latina como um todo, uma vez que a produtividade da região tem se mantido baixa. "O Chile, que é líder em produtividade entre os latinos, foi da 35ª posição para a 42ª no relatório de 2019", acrescenta o pesquisador.

*Com Agência Estado


Destaques
Destaques

IDC: mercado de nuvem pública vai chegar a R$ 15 bilhões em 2020

Mercado de TI brasileiro vai crescer 5,8% impulsioando pelos negócios de clóud computing e pela aceleração do mercado de software. Nuvem privada tem a preferência das grandes empresas e fica com até 25% do orçamento destinado à TI.

BRK Ambiental, CTG Brasil e Via Varejo aderem à nuvem na jornada digital

Empresas implementaram a plataforma SAP S/4HANA para sustentar a estrastégia digital. Os negócios de cloud tiveram forte impacto na receita da SAP Brasil.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desafios às empresas: Contêineres, Orquestração e Microsserviços

Por Lenildo Morais*

Com o padrão “multi-edge edge computing”, o tráfego e os serviços de TI mudam de uma nuvem centralizada para micro-nuvens espalhadas o mais próximo possível dos usuários. As operadoras terão que oferecer serviços sob demanda, e mesmo em tempo real, para atender a todos os tipos de aplicativos.

Você já pensou no impacto que os seus dados geram no planeta?

Por Gustavo Loiola*

Hoje, são milhares de data centers espalhados pelo Planeta. É engraçado pensar nisso quando hoje falamos da tal da “nuvem" que armazena os nossos dados. Tiramos uma foto? Vai para a nuvem. Postamos no Instagram? Vai para a nuvem. Netflix, Spotify, Deezer? O streaming também está na nuvem.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site