TELECOM

Com 12 meses no vermelho, Oi prepara fatiamento e nova negociação com credores

Luís Osvaldo Grossmann ... 16/06/2020 ... Convergência Digital

Dois anos e meio depois da aprovação do plano de recuperação judicial junto aos credores, a Oi tem uma nova proposta de reestruturação da companhia, com fatiamento e venda até mesmo do controle sobre as redes fixas, além da já prevista alienação da operação móvel e ativos ‘não essenciais’. 

A nova proposta, formalizada no âmbito da recuperação judicial e apresentada ao mercado junto com os resultados do primeiro trimestre de 2020, vem na sequência de 12 meses de prejuízos. O mais recente, entre janeiro e março deste ano, bateu em R$ 6,2 bilhões, com especial impacto do câmbio. 

Os números mostram alguma variação do mergulho no vermelho ao longo de cada um dos últimos quatro trimestres. No segundo trimestre de 2019, o resultado foi negativo em R$ 1,5 bilhão, seguido por prejuízos de R$ 5,7 bilhões e R$ 2,3 bilhões nos trimestres seguintes. 

Já a queda nas receitas é mais constante: de R$ 5,09 bilhões naquele segundo trimestre do ano passado para R$ 5,01 bilhões, depois R$ 4,91 bilhões e agora R$ 4,74 bilhões. Entre janeiro e março, os recuos foram de 2,5% na operação móvel, 12% na fixa e de 7,1% no corporativo. 

Isoladamente, a Oi tem números positivos na rede de fibra óptica, que se tornou o carro-chefe da estratégia no último ano. São 6 milhões de casas passadas, com cerca de 1 milhão delas conectadas. Esse segmento gerou R$ 205 milhões em receitas no primeiro trimestre, o que é 700% acima de um ano antes. Mas são valores que ainda representam apenas metade das receitas de dados no cobre (R$ 408 milhões) ou com DTH (R$ 402 milhões) e apenas uma fração dos R$ 1,6 bilhão de faturamento no móvel.

Nesse cenário, a apresentação de resultados nesta terça, 16/6, foi dominada pela apresentação do aditamento ao plano de recuperação judicial, a resultar no que o presidente da operadora, Rodrigo Abreu, chamou de “uma nova oi, mais leve e ágil, focada no futuro”. 

Leve, certamente. O novo plano, a ser votado pelos credores em assembleia prevista para agosto, quebra a Oi em unidades a serem vendidas: operação móvel, torres, datacenters e uma para a rede fixa de transporte e FTTH. O que sobra, ou seja, os clientes, ficam na ‘Client Co’. 

Com as vendas – toda a operação móvel, torres, datacenters e até 51% da Infra Co – a Oi espera arrecadar R$ 22,8 bilhões. Paralelamente, o plano prevê novas condições para as dívidas que persistem, inclusive aquelas junto à Anatel, que pela versão atual do plano de recuperação são as últimas da fila. 

Para tanto, a Oi espera se valer da recente Lei 13.988/20, que prevê a possibilidade de descontos nas multas e juros de dívidas tributárias, além de outra que está à caminho, o PL 6229/05, que também prevê condições facilitadas para empresas que estejam em recuperação judicial. 

“É possível primeiro passar pela Lei 13.988/20 e se uma nova regulação surgir, melhorando as nossas condições, podemos migrar a negociação para essa nova regulamentação que poderá entrar em vigor no futuro”, afirmou Rodrigo Abreu. No caso a dívida com a Anatel, parte em dívida ativa, parte administrativa, o executivo indicou que “poderemos cortar a dívida pela metade”. 

No caso da parcela ainda na instância administrativa, a ideia é costurar com a Anatel a transformação em compromissos de investimentos. “Podemos trabalhar com a Anatel em um mecanismo que a agência já vem discutindo, relacionado a obrigações de fazer. Isso permitiria reduzir a dívida e converter em obrigações de Capex, de serviço, muito melhor do que ter que considerar. Seria mais uma obrigação de investimento.”

Adicionalmente, o novo plano prevê descontos de 60% sobre o valor de face de obrigações com bancos. “Estaremos eliminando o risco dos bancos em 100% e haverá monetização de pagamentos agora. Isso sinaliza o valor justo, porque vamos eliminar o risco completamente. Essa é a premissa principal”, completou Rodrigo Abreu. 


Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Qualcomm defende faixa de 6GHz para não licenciados atenta ao 5G

Diretor da Qualcomm, Francisco Soares, espera que a Anatel se defina por dar os 1,2GHz para os serviços licenciados. "O 6GHz não licenciado será o complemento ideal para os serviços licenciados 5G", sustenta.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G