Claro/Embratel, TIM e Vivo estão fora do processo de venda da infraestrutura de rede da Oi

Ana Paula Lobo ... 16/06/2020 ... Convergência Digital

Em entrevista aos portais especializados - Convergência Digital, Tele.Síntese e Teletime - o CEO da Oi, Rodrigo Abreu, afirmou que as rivais- Claro/Embratel, TIM e Vivo - estão fora do processo de venda da unidade de infraestrutura, batizada de InfraCo, no aditamento ao plano de Recuperação Judicial, apresentado nesta terça-feira, 16/06, ao mercado.

"Foi uma decisão nossa não ter as nossas rivais entre as possíveis compradoras.  A ideia é ter uma rede neutra que mais à frente terá até 30% da sua receita vinda do mercado. Também decidimos que não haverá fatiamento, ou seja, a InfraCo será uma empresa nacional, de escala e de grande atratividade. Ela tem um grande potencial para atender o presente e o futuro", afirmou Abreu.

O executivo explicou ainda que a ClientCo, ou a Oi S.A., manterá toda a carteira de clientes do Oi Fibra, da telefonia fixa, da TV, dos clientes B2B, da Oi Soluções. A separação será estrutural. "Quem tem o cliente final é a ClientCo. Nós vamos contratar e pagar a infraestrutura usada da InfraCo ou de quem vier comprá-la". Segundo Abreu, sem ter de investir em desenvolvimento de produto, em marketing, vendas e aquisição de clientes, a InfraCo vai gerar caixa operacional ainda no seu primeiro ano de operação".

Abreu assegura que a primeira fase da rodada da venda da infraestrutura já está acontecendo e que há muito interesse de fundos financeiros. "Está tendo competição e bastante interesse", disse, sem revelar quem seriam esses compradores. Expectativa da Oi é finalizar todo o processo de reestruturação até o final de 2021. "Se tudo sair como planejamos, a Oi S.A., ou ClientCo, será uma empresa de R$ 10 bilhões de receita, e com solidez operacional e financeira. Mas é certo que ainda temos muito trabalho pela frente", adicionou. O CEO da Oi evitou, porém, em falar sobre redução de funcionários em função do novo processo de alinhamento da recuperação judicial.


Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G