Clicky

Convergência Digital - Home

Multicloud está longe de ser simples e exige responsabilidade com a divisão dos dados

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 13/04/2021

A nuvem não é o mundo perfeito e ela exige planejamento e muita responsabilidade das corporações, que começam a entender essa complexidade na dor, uma vez que a aceleração digital aconteceu pela pandemia de Covid-19, afirma Leonel Oliveira, diretor geral da Nutanix Brasil.

A Nutanix realizou uma pesquisa global, com dados do Brasil, onde ficou constatado que aqui, metade dos entrevistados (50%) afirmou que realizou novos investimentos em nuvem híbrida especificamente como resultado da pandemia e pouco menos da metade (41%) relatou aumentos em nuvem privada e nuvem pública (38%). Apenas 5% relataram não ter feito novos investimentos em infraestrutura por causa do COVID-19.

Os entrevistados no Brasil relataram um progresso acima da média com a implantação de HCI (sigla em inglês para Infraestrutura Hiperconvergente), uma etapa capacitadora na jornada para uma configuração de nuvem híbrida. Mais da metade (54%) dos entrevistados do Brasil disseram que já implementaram ou estão em processo de implementação de HCI, em comparação com 50% dos entrevistados globalmente e 48% na região das Américas.

"O grande problema é que muita companhia fez virtualização e acha que fez multicloud. E são coisas distintas. Multicloud não é tão simples de implementar. Exige um planejamento estratégico e muita responsabilidade por parte das empresas. Não é apenas dividir os dados com provedores. Mas é necessário gerenciar e valorizar os dados para saber se eles estão blindados. Mais que tudo é preciso saber quais dados têm de ser protegidos e quais dados podem ser perdidos. Nem tudo exige blindagem", pontua Leonel Oliveira, em entrevista ao Convergência Digital.
 
O levantamento da Nutanix comprova que, embora o entusiasmo com a nuvem híbrida tenha sido forte e consistente nos últimos três anos, as implementações reais têm sido mais lentas em todos os países até o momento. Entre os motivos estão tendências como a disponibilidade limitada de ferramentas e conjuntos de recursos entre plataformas de nuvem.

Um terço dos entrevistados do Brasil (33%), por exemplo, relatou ter pouco conhecimento de TI necessário para gerenciar ambientes de nuvem híbrida; 33% também disseram que não tinham habilidades em tecnologias nativas da nuvem e de contêineres. Além disso, algumas empresas ainda possuem arquiteturas de datacenter tradicionais que precisam ser substituídas e aplicações legadas críticas para o negócio e que são difíceis de transportar para novos ambientes. Ainda, para algumas, as leis de privacidade proíbem o armazenamento de informações de privacidade do cliente em locais que a empresa não controla.

"A nuvem não é um mundo perfeito e as empresas precisam estar cientes disso. Não existe mundo perfeito na tecnologia. Mitigar os riscos se faz sempre obrigatório. Transferência de dados para um local terceiro não é garantia de proteção absoluta. Muita empresa pensa que ao fazer virtualização, fez multicloud e não fez", sustenta Oliveira. Mas o executivo também reforça o fato de a aceleração digital determinou uma revisão dos planejamentos estratégicos e acelerou os investimentos na computação em nuvem, não apenas como redução de custos, mas como meio para viabilizar a rotina operacional. "Modelos de negócios que não seriam implementados tão cedo, o foram por conta da Covid-19. A pandemia é digital, mas temos de nos preparar mais para a transformação digital", completa o executivo.





Destaques
Destaques

Por que se tornar uma empresa data-driven?

Data-driven ou orientada a dados. É esse o novo lema das companhias que, cada vez mais, estão armazenando e analisando dados em busca de insights de negócios. Mas o que as empresas devem fazer para abraçarem os dados de forma a promover benefícios estruturais e longevos? A resposta não é simples.

TIM une big data,LPA e robôs para controle do pagamento de impostos

Operadora elegeu a inteligência artificial para processar grandes e complexos volumes de dados com o SAS e a KPMG. Investimento ficou em torno de US$ 500 mil, ou R$ 2,65 milhões, mas parte dele já foi recuperado em pouco mais de seis meses.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços SaaS, proteção de dados e a LGPD

Por Eder Miranda*

Ter um plano abrangente de proteção adicional de dados para as plataformas SaaS é vital para os negócios, uma vez que as empresas não podem abrir sem ter o controle sobre o que está sendo protegido e sobre a maneira como isso está sendo feito pelos fornecedores de software como serviço.

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site