Clicky

GSMA: Parceria em conteúdo é melhor para teles que produção própria

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/09/2018 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações costumam repetir que não querem ser somente um ‘tubo burro’, senha para defender investimentos na oferta de conteúdos como forma de competir com as apelidadas OTTs, como Netflix, Amazon, etc. Mas o novo estudo da GSMA toca nesse nervo para sustentar que essa não é exatamente uma estratégia brilhante. Melhor apostar em parcerias e licenciamentos do que tentar mergulhar no universo da produção própria.

“Conteúdo é caro”, ressalta o novo relatório sobre ‘Tendências Móveis Globais’, divulgado pela Associação. A Netflix gastou US$ 6,3 bilhões em programação original em 2017, não ficando muito atrás da Time Warner (US$ 8 bilhões), da Fox (US$ 8 bilhões) e da Disney (US$ 7,8 bilhões)”, lista o documento, chamando a atenção para o peso desses investimentos.

Como destaca, ainda tomando o exemplo da Netflix, o estudo lembra que a empresa continua sendo a grande influência para o consumo de conteúdo via streaming online, e que esse tipo de serviço segue mordendo nacos da televisão tradicional. Mas faz um alerta às teles móveis: os custos envolvidos são gigantescos.

“Para a maioria das operadoras, essa tendência significa que fazer parcerias ou licenciamento de conteúdo representa um panorama mais realista do que adquirir ou criar conteúdo em um mercado dispendioso”, sustenta expressamente o relatório da GSMA.

O documento lista quanto investiram no ano de 2017 as maiores empresas de mídia dos Estados Unidos – além das cifras já mencionadas, vale lembrar os US$ 10,2 bilhões aportados pela NBC Universal, os US$ 5,4 bilhões da Viacom, US$ 4,5 bilhões da Amazon ou US$ 2,5 bilhões da Hulu.

O que a GSMA não menciona é que enquanto as receitas globais das operadoras móveis bateram em US$ 1 trilhão no ano passado, as maiores empresas mundiais de produção de conteúdo juntas não alcançaram receitas maiores do que US$ 190 bilhões.


Internet Móvel 3G 4G
Justiça da Suécia nega recurso da Huawei para entrar no 5G

Decisão de 22/6 mantém o que já fora definido pelo regulador de telecomunicações sueco, que proíbe as operadoras do país a usarem equipamentos Huawei ou ZTE e mandou remover os existentes até 2025.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

À espera da venda para TIM, Claro e Vivo, Oi Móvel emite R$ 2 bilhões em debêntures

Em fato relevante, a operadora informou que as debêntures serão subscritas e integralizadas por fundo de investimento gerido por subsidiária do Banco BTG Pactual S.A. Operação segue em análise no CADE e na Anatel.

Red Hat: para ser cloud nativa, uma tele precisa mais do que transformação digital, precisa de nova cultura

Mudar a mentalidade é essencial para que uma operadora de telecomunicações transforme seus negócios e suas redes, afirma Livio Tulio Silva, da Red Hat.

Cade aprova venda do controle da empresa de fibra da TIM para IHS

Operadora vai receber R$ 1 bilhão e pretende usar o dinheiro para pagar a fatia com a qual vai ficar a partir da compra da Oi Móvel.

TIM emite R$ 1,6 bilhão em debêntures vinculadas à ESG

Operação é a primeira realizada por uma empresa de telecomunicações no país. Tele diz que todos os recursos arrecadados serão investidos em infraestrutura, em especial, no 5G.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G