Convergência Digital - Home

Empresas admitem investir muito pouco em alfabetização em dados

Convergência Digital
Convergência Digital* - 25/09/2019

As corporações tendem a priorizar a contratação de profissionais que possuam experiência comprovada em trabalhar com dados em vez de candidatos com formação em ciências de dados, aponta pesquisa encomendada pela Qlik, em parceria com o The Data Literacy Project (Projeto de Alfabetização de Dados), comunidade dedicada a fazer com que a sociedade seja fluente em dados. O levantamento ouviu empresas dos EUA, Europa e Ásia.

A pesquisa demonstrou que quase dois terços (59%) das corporações entrevistadas declararam que a experiência anterior ou a análise de um estudo de caso -- onde o candidato deve resolver um problema de negócio utilizando suas habilidades com dados -- como indicador principal da alfabetização de dados do candidato. Em contrapartida, apenas 18% consideraram o bacharelado ou mestrado em Ciências - mesmo em Ciência de Dados -- ou ainda um doutorado como fator principal de contratação.

Isso demonstra que as melhores oportunidades de carreira e salários associados à alfabetização de dados não estão limitadas aos profissionais que possuem graduações em ciência de dados ou nas disciplinas conhecidas como STEM (em português Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática). É uma tendência mais ampla, identificada pela Glassdoor, onde um número crescente de empresas de tecnologia estão deixando de considerar a graduação formal em favor dessas competências, auxiliando os candidatos a conseguirem um espaço no mercado.

A busca por tomadores de decisão que se baseiam em dados

A maioria das organizações (63%) busca ativamente candidatos em todas as partes da empresa que demonstrem habilidade em utilizar, trabalhar e analisar dados -- oferecendo boas oportunidades para aqueles que apresentem essas competências. De fato, aqueles com sólido conhecimento em dados e analytics serão responsáveis por um terço do mercado de trabalho, com um aumento projetado de 110 mil posições até 2020 -- uma expansão de 14% desde 2015, de acordo com a IBM.

Isso talvez não seja novidade dada a enorme oportunidade de crescimento para organizações alfabetizadas em dados - que se caracterizam por terem a maior parte dos colaboradores literados em dados, por disseminarem as informações por toda instituição e tomarem decisões baseadas em dados. O estudo Data Literacy Index da Qlik revelou que grandes corporações com alto índice em alfabetização de dados têm um valor corporativo de 3 a 5% maior (o valor total de mercado), correspondendo a um adicional entre US$ 320 e US$ 534 milhões para as organizações pesquisadas.

Entretanto, as profissões relacionadas a DSA (Data Science and Analytics) -- que englobam funções associadas à análise de dados -- de cientistas/analistas de dados a analistas de negócio e profissionais de marketing -- são as mais difíceis de serem preenchidas, geralmente permanecendo abertas por 45 dias.

Devido às dificuldades que afetam esse amplo espectro de capacitação em dados, e considerando que apenas 24% dos funcionários (em escala global) se sentem confortáveis com sua capacidade em lidar com dados, essas competências altamente procuradas podem tornar as pessoas mais valiosas para seus empregadores, o que tende a resultar em melhores salários.

Embora nem todos os gestores entrevistados estivessem cientes de como suas empresas remuneram os funcionários que tenham conhecimento em trabalhar com dados, a pesquisa revelou que 75% dos que estavam a par da política de remuneração da companhia relataram pagar salários mais altos aos colaboradores capazes de ler, trabalhar, analisar e argumentar com dados.

Contraditório: As empresas não investem em sua própria força de trabalho

Apesar de reconhecer o valor da experiência prática e das certificações de dados, 50% das empresas afirmaram não oferecer treinamento em alfabetização de dados para seus próprios funcionários. Apenas 34% dos tomadores de decisão disseram que têm programas em vigor, apesar de 78% dos funcionários declararem que estariam dispostos a investir mais tempo e energia para aperfeiçoar suas habilidades em dados.*

Os profissionais motivados a buscar aprimoramento têm a oportunidade de agregar valor ao seu currículo e abrir portas para novas oportunidades, principalmente à medida em que a relevância dos dados crescem em todas as empresas.

Dos tomadores de decisão, 18% afirmaram que uma certificação de capacitação em dados -- que pode ser obtida após a faculdade ou por meio de educação formal -- era o melhor indicador de alfabetização de dados de um candidato e demonstrava a capacidade de usar as técnicas mais exigidas atualmente. Isso significa que qualquer pessoa que invista na melhoria de sua capacidade em trabalhar com dados - independentemente das qualificações existentes -- terá acesso a mais oportunidades de carreira associadas a essa demanda.

A pesquisa foi conduzida pela PSB Research no período de 27 de junho a 18 de julho de 2018. Os tomadores de decisão de negócios foram selecionados entre empresas globais de capital aberto, com pelo menos 500 funcionários e que representavam uma ampla gama de indústrias, incluindo serviços bancários e financeiros, manufatura, varejo, transporte, saúde, energia, construção, serviços públicos e comunicações. O número total de entrevistas realizadas foi de 604: 200 nos EUA e na Europa, 204 na Ásia.

Fonte: Assessoria da Qlik


Destaques
Destaques

Governo negocia para transformar Foz do Iguaçu em zona franca para datacenters

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Elisio de Menezes, conta que negocia a incorporação dos datacenters em uma classe especial para consumo de energia, ativo que mais encarece as operações no Brasil.

Disseminação de serviços em nuvem puxa investimentos globais em TI

Segundo projeções da consultoria Gartner, gastos devem bater em R$ 15 trilhões neste ano e crescer 3,7% em 2020, puxados por cloud computing. 



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site