Clicky

Convergência Digital - Home

Neoenergia desenvolve tecnologia nacional para comunicar equipamentos de redes inteligentes aos datacenters

Convergência Digital
Convergência Digital - 16/10/2020

Medidores de energia e sensores de redes inteligentes, além do uso de analytics, já fazem parte das tecnologias adotadas pela Neonergia, em uma tendência que deve crescer nos próximos anos no setor elétrico. A companhia criou o concentrador Multilink para conectar esses equipamentos. Uma das vantagens é que essa é uma solução interoperável, ou seja, compatível com equipamentos de fabricantes diferentes. O projeto adota um padrão aberto para comunicação por redes de radiofrequência mesh Wi-SUN. A iniciativa faz parte do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

"A Neoenergia é pioneira no desenvolvimento dessa tecnologia, que contribui com nossa estratégia de digitalização para os clientes usando padrões abertos e interoperáveis. O resultado são investimentos otimizados em infraestrutura de medição e automação, que permitirão a melhoria da qualidade do fornecimento e da gestão do consumo pelos clientes", afirma o gerente de Projetos Estratégicos em Tecnologia, José Luiz de França Neto.

O que é o Multilink

O concentrador Multilink serve como um elo entre equipamentos em campo e os centros de operação e datacenters. Para isso, agregará dados dos chamados end devices, que são sensores e medidores inteligentes, além de medidores de balanço e equipamentos de Sistema de Medição Centralizada (SMC). Essas informações são criptografadas e enviadas, em seguida, para os sistemas de medição e operação das empresas. Com isso, é possível fazer desde a leitura remota do consumo de energia dos clientes até a análise em tempo real da rede elétrica para a melhoria do fornecimento. O Multilink receberá dados através de um gateway, produto também desenvolvido no projeto, e de end devices desenvolvidos por fabricantes que adotam o padrão Wi-SUN.

Para transmitir as informações para os sistemas das distribuidoras, o Multilink poderá usar múltiplos canais de comunicação, incluindo redes celulares 4G/LTE, WiMAX, satélite e rádio digital na frequência de 2,4GHz com modulação OFDM (orthogonal frequency-division multiplexing), que torna o sinal transmitido mais resiliente a interferências. O Multilink também possui portas de expansão, para conexão com outros meios de comunicação já existentes ou que possam vir a surgir no futuro.

O projeto foi iniciado pela Neoenergia em 2018, com duração de três anos. A solução foi testada na cidade de Salvador (BA), com sensores inteligentes, criados também no âmbito do P&D da Neoenergia. "Já temos resultados bastante promissores do concentrador Multilink, do ponto de vista da interoperabilidade e da utilização de diferentes canais de comunicação. Esse equipamento faz parte de um projeto estratégico estruturante denominado "Desenvolvimento de Tecnologia Nacional para Redes Elétricas Inteligentes", que tem como objetivo principal o desenvolvimento de tecnologias brasileiras que contribuam para a redução das perdas, melhoria da qualidade e da segurança da rede", diz o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Neoenergia, José Antonio Brito.

O desenvolvimento da tecnologia de comunicação é realizado em parceria com a Tecsys e o Lactec, que são membros da Wi-SUN Alliance, consórcio internacional para certificar e proliferar soluções na área. O padrão é baseado no IEEE 802.15.4g, adotado em aplicações de redes inteligentes, cidades inteligentes e Internet das Coisas (IoT), que demandam flexibilidade e robustez da rede de campo, agora suportadas pela nova tecnologia Multilink.

Protocolo DLMS nacional

Em busca de mais soluções interoperáveis para medidores inteligentes, a Neoenergia está contribuindo com o desenvolvimento de uma proposta de protocolo brasileiro DLMS (Especificação de Mensagem na Linguagem do Dispositivo, na sigla em inglês), com o objetivo de promover evolução do padrão nacional definido pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O projeto também é parte do Programa de P&D da Aneel.

"A Neoenergia apresentou uma proposta inicial de perfil DLMS, para servir de base para definição do protocolo nacional. Os objetivos do grupo de trabalho são de adaptar ao padrão internacional os requisitos regulatórios do Brasil e promover a interoperabilidade dos medidores inteligentes, estimulando o seu uso no país", explica Débora Catão, engenheira de Smart Grids da Neoenergia.

A companhia participa de grupos de trabalho com o Comitê Brasileiro de Eletricidade, Eletrônica, Iluminação e Telecomunicações (COBEI), integrado por distribuidoras de energia e fabricantes de equipamentos. Após a conclusão da proposta, ela deverá ser submetida para consulta pública pela ABNT antes de ser aprovada. Será construído também um laboratório de certificação de medidores interoperáveis.

"No projeto Multilink, tivemos a oportunidade de desenvolver hardware e software Wi-SUN, quando esse padrão ainda estava em especificação pela aliança mundial. Hoje, ele opera de forma integrada com equipamentos de fabricantes globais. Com o desenvolvimento do protocolo DLMS brasileiro, teremos uma cadeia completa de interoperabilidade com domínio tecnológico nacional. A implantação do Multilink e dos laboratórios de certificação garantirão a continuidade tanto da interoperabilidade quanto do conhecimento tecnológico", afirma o pesquisador sênior e coordenador do projeto pelo Lactec, Rodrigo Jardim Riella.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site