SEGURANÇA

Criptografia: "não há como ter uma porta para os bonzinhos e outra para os maus"

Ana Paula Lobo ... 27/02/2020 ... Convergência Digital

Para a gerente do CERT.br, Cristine Hoepers, é surreal discutir criptografia fraca ou forte, ou de tentar definir se um aplicativo deve ter menos ou mais criptografia. "Quebrar a criptografia é assumir que todos serão puros na humanidade daqui para frente e que ninguém fará mais nada de errado na terra", disparou a especialista.

Cristine Hoepers foi uma das participantes de debate sobre privacidade na era digital, em evento para comemorar o dia da Internet Segura, realizado no dia 11 de fevereiro. Participaram ainda Danilo Doneda, especialista em LGPD, Diego Canavarro, da Internet Society e Pablo Bello, VP do Facebook na América Latina. A gerente do CERT.br lamentou o fato de, hoje, no debate da privacidade, quebrar a criptografia tenha virado um 'consenso' para resolver questões de segurança pública e pessoal.

"Não há uma porta para os bons e outra para os maus. É impossível criar um mecanismo para quebrar criptografia dos bonzinhos para evitar os maus. E temos de lembrar que os direitos fundamentais da expressão estão vinculados à privacidade", observou o VP do Facebook, Pablo Bello, bastante cobrado por conta da privacidade do WhatsApp. "O WhatsApp não é uma rede social. Ele é uma plataforma de comunicação privada onde preservar o sigilo é o objetivo, especialmente nos países onde a democracia não está consolidada", acrescentou.

Diego Canavarro, da Internet Society, lembrou que trocar a criptografia por chaves-mestra não assegura 100% de proteção. "O El Chapo, maior narcotraficante do México, só caiu porque o seu Czar da TI entregou as chaves-mestra de todo o grupo criminoso para o governo dos Estados Unidos. A verdade é que não há um ator público ou privado que assegure a proteção integral da chave-mestra. É possível quebrar indo na 25 de março (rua popular de São Paulo)", lembra. Para Canavarro, a economia digital exige que se abra o escopo do debate sobre o uso da criptografia e que o ideal seria estreitar a comunicação com o Estado, guardião de dados confidenciais do brasileiro.

O professor, especialista em privacidade e proteção de dados e advogado, Danilo Doneda,  reforçou a tese ao pontuar que a criptografia é uma grande aliada da regulação quando se trata da proteção de dados e da implantação da Lei Geral de Proteção de Dados, com vigência prevista para agosto. "É fato dizer que sem segurança, não há privacidade e sem privacidade não há por que pensar em segurança. A criptografia é ferramenta para assegurar a privacidade e a segurança desejada", completou.



Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.

GSI: Educar o cidadão é o pilar da estratégia de segurança cibernética

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República troca de marca - sai o cadeado e entra uma chave - para mostrar ao brasileiro que ações próativas são essenciais. "Não podemos atuar apenas como bombeiros nos ataques cibernéticos", afirma Ulisses Peixoto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G