Clicky

LGPD faz falta para cuidar da privacidade no uso de dados na Covid-19

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/05/2020 ... Convergência Digital

O uso de dados dos aparelhos celulares virou uma das principais ferramentas para medir o grau de conscientização dos brasileiros em relação à pandemia do novo coronavírus. Seja no modelo voluntário da In Loco, que tem informações de 37,5 milhões de aparelhos, ou nos mais de 220 milhões captados pelas Estações Radio Base das principais operadoras, mais de 20 estados e 30 cidades do país avaliam diariamente deslocamentos e aglomerações. 

As empresas envolvidas juram que o uso desses dados respeita a privacidade e mesmo ainda sem a vigência efetiva da Lei Geral de Proteção de Dados. A ausência da LGPD, no entanto, é considerada uma fragilidade para os próprios modelos adotados. 

“O tipo de dado que trabalhamos é estatístico, é o número de linhas conectadas em cada ERB. Mas não qual a linha. O setor sempre defendeu a LGPD. Mas acreditamos que o que tem que acontecer é a constituição da Agência Nacional de Proteção de Dados e do Conselho, que é justamente quem vai normatizar e regulamentar o que esta na lei. Enquanto ela não existir, resta uma insegurança jurídica enorme. Não precisa flexibilizar a lei mas sim constituir a autoridade, o conselho nacional, e regulamentar a lei. É isso que falta para dar segurança jurídica a todas as empresas que trabalham com dados”, avalia o presidente do Sinditelebrasil, Marcos Ferrari. 

O uso dos dados móveis na Covid-19 foi o cerne do debate online promovido nesta quinta, 14/5, pelo portal Mobile Time. E o notável é que mesmo quem se vale diretamente dos dados tem essa mesma preocupação. “A maioria das soluções que vemos ser utilizadas para o combate à pandemia conseguiu se encaixar dentro de regulações como a GPDR, como a LGPD. Mas alguns cuidados têm que ser implementados”, alertou o CEO da In Loco, André Ferraz. 

Ele explica que a empresa usa dados de 37,5 milhões de celulares, a parcela dos 60 milhões que a In Loco tem acesso e que consentiu com o uso das informações. Segundo aponta, é importante que o uso dos dados seja voluntário, sujeito a técnicas de anonimizacão, e com cautelas especiais com informações sensíveis, caso dos dados de localização. “Esse trabalho tem que ser bem feito. Porque dá para desanonimizar e identificar com alguma facilidade.” 

Mesmo o relevante uso dos dados para saúde pública não deve, em que pese as atuais controvérsias, flexibilizar as regras – que no Brasil, sequer estão totalmente vigentes. “Já teve tanta briga pelas leis, acho que flexibilizar traz problemas inclusive para as companhias que se estruturaram para elas”, ressalta o diretor da Moovit para o Brasil, Pedro Palhares. 

O interesse é evidentemente grande. Segundo a In Loco, a ferramenta é usada por 22 estados, 30 prefeituras e 50 instituições acadêmicas. O ‘mapa de calor’ fornecido pelas grandes teles já tem adesão de mais de 30 entes, entre estados e municípios, segundo informa Marcos Ferrari. Os dados, no entanto, não são animadores. 

“O índice de isolamento tem caído consistentemente. Houve um pico no começo, quando passou de 70% de isolamento no Brasil, que seria o ideal e se fosse mantido estaríamos em situação melhor. Mas semana a semana tem caído 2 a 3 pontos percentuais. Os estados que estão indo melhor são aqueles que implementaram lockdown, onde está forçado, não por decisão consciente da população. São locais onde estava muito mal e foram obrigados a implementar o lockdown. Não é uma situação promissora”, aponta o CEO da In Loco. 


Internet Móvel 3G 4G
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

Operadora fechou parceria com a M2M Telemetria para participar dos principais projetos voltados à nova gestão dessa infraestrutura pública. Tele conta com a cobertura da rede dedicada de NB-IoT, no 4G, presente em 3460 cidades do país.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.

Claro: Hábitos da quarentena transformaram as redes móveis

O diretor de Marketing da operadora, Márcio Carvalho, assegura que o 5G DSS está cumprindo bem o seu papel em grandes mercados, uma vez que a jornada até o 5G 'sonhado' deve levar algum tempo no Brasil.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G