Convergência Digital - Home

Para OCDE, a transformação digital está no topo da agenda global

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Roberta Prescott - 21/10/2019

“A digitalização não é algo novo, mas o poder de supercomputador que temos na mão é ubíquo e onipresente”, assim, Roberto Martínez Yllescas, diretor para América Latina da OCDE – México, começou a sua apresentação na ABES Software Conference. Yllescas lembrou que a inteligência artificial (IA) abre novas oportunidades radicais, mas traz novos riscos. A ciência da IA continua avançando e, no cenário mundial, os Estados Unidos são os que mais registram patentes, com a China tendo um número muito substantivo.

Transformação digital está no topo da agenda global e é um marco de política pública. As principais questões envolvem acesso, uso, inovação, emprego, sociedade, confiança e abertura de mercado. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico fez o trabalho de mapear as estratégias dos países-chaves no fortalecimento do marco de políticas públicas para a ampliação do digital.

Com relação ao Brasil — que é membro, mas, segundo Yllescas, é um parceiro-chave e participa dos comitês de trabalho — o acesso à banda larga precisa melhorar, ainda que a penetração da banda larga móvel não está tão afastada da média da OCDE, assim como a utilização de tecnologias governamentais e serviços online. “O Brasil precisa melhorar a educação básica e fazer um maior esforço nas matérias de matemática, compreensão de leitura e raciocínio científico”, disse. 

Após a palestra, em entrevista à CDTV, Yllescas ressaltou que o Brasil é um país muito grande e que enfrenta o desafio de não ficar para trás no trabalho de ter acesso competitivo na economia digital global. Para tanto, precisa seguir investindo em pesquisa e desenvolvimento. “O esforço brasileiro nesta área não tem a ver com o ciclo econômico; tem sido um ciclo consistente no tempo”, afirmou, lembrando que o Brasil investe 1,1% do PIB em P&D, o que é praticamente o dobro do porcentual investido pelo México.  


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site