Clicky

Home - Convergência Digital

América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

Luís Osvaldo Grossmann - 15/04/2021

A combinação das faixas médias com bandas mais altas, as chamadas faixas milimétricas, divide os reguladores de telecomunicações na América Latina. Em debate online com representantes do México, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Argentina e Brasil, viu-se que muitos não tem planos para fatias de espectro mais altas nos leilões de 5G. 

O Chile é o único país da região que já licitou espectro em faixa milimétrica, no caso, 26 GHz, mas que teve uma única interessada, a Claro. O edital do 5G no Brasil também prevê a oferta da faixa de 26 GHz, assim como a Costa Rica indicou que pretende colocar no leilão um grande naco entre 26 e 28 GHz. Mas essa parece ser uma exceção entre os países da América Central. 

“Não entendemos que se deva licitar todas as bandas no mesmo processo. A solução tecnológica para bandas médias não é a mesma para ondas altas. E precisamos saber como fazer que nas redes milimétricas a distância entre uma infraestrutura e outra seja menor”, afirmou o secretário adjunto da Comissão Técnica Regional de Telecomunicações, Jorge Torres. A Comtelca integra, além da Costa Rica, República Dominicana, Panamá, Nicarágua, Honduras, El Salvador, Guatemala e México. 

O debate se deu na segunda edição do E-Fórum 5G MMWave, promovido pela Network Eventos e pela Convergência Digital nesta quinta, 15/4. E como a reforçar a posição da Comtelca, o chefe da unidade de espectro do Instituto Federal de Telecomunicações do México, Alejandro Navarrete, destacou ressalvas às bandas altas para, igualmente, não incluir essa parte do espectro no leilão de 5G no país. 

“Uso das ondas milimétricas para conectividade fixa sem fio acho mais complicada, especialmente pela infraestrutura necessária. Podemos pensar entre 26 GHz a 40 GHz, mas nessas bandas teremos que implementar pequenas células a cada 400 ou 800 metros, o que exige planos de negócios com muito cuidado. Elas oferecem menos latência, o que pode ser bom para aplicações industriais. Mas em outros serviços, como acesso sem fio, as ondas médias podem servir.”

Na Colômbia, o primeiro leilão de 5G também não deve incluir faixas milimétricas. “Vamos abrir licitação de 3,5 GHZ e precisamos de complementariedade em bandas baixas ou em bandas milimétricas, mas isso deve acontecer mais à frente, porque grande parte das operadoras não manifestou interesse. Talvez porque a oferta de dispositivos em ondas milimétricas ainda não é muito grande”, apontou o diretor Geral da Agência Nacional do Espectro, Miguel Felipe Espinosa. 

É um cenário distindo da Costa Rica, como revelou o diretor geral da Superintendência de Telecomunicações Glenn Fallas. “Quanto às ondas milimétricas, recomendamos no curtíssimo prazo as bandas de 26 GHz e 28 GHz para um total de 3 GHz que estarão sendo licitados em pouco tempo. O governo lançou uma consulta e teve resposta de 12 empresas interessadas, entre operadoras e novos empreendimentos, nacionais e internacionais, e muitos centraram o interesse no serviço fixo.”

No Brasil, a aposta é de que o 5G vai demandar um mix de frequências para atender diferentes necessidades e aplicações. “A faixa de onda milimétrica é importante para o modelo de negócios em que o operador sopesa as faixas para fazer overlay ou escoamento de tráfego. Ou, no lugar de fibra em locais mais complexos, também fazer a conexão fixa com ondas milimétricas, usar o IAB, FWA. Temos já 132 CPEs FWA registrados. Então é um ecossistema promissor”, disse o superintendente de Outorgas e Recursos à Prestação da Anatel, Vinícius Caram. 

Segundo ele, o uso da faixa de 26 GHz é flexível inclusive na demanda por infraestrutura. “O receio que se tinha de que a faixa milimétrica não seria usada, pelo alcance, pela falta de dispositivos, já virou mito. Tem diversos casos de uso mostrando possibilidade de cobertura de 5 km usando CPEs, ou entre 300 e 400 metros usando smartphone na onda milimétrica. A flexibilidade que o 5G dá é mandatória. Redes midband e rede milimétrica se casam. No Brasil, 3,5 GHz e 26 GHz são a porta de entrada do 5G.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

10/05/2021
TecBan, Claro e Ericsson levam 5G para caixas eletrônicos

06/05/2021
Para Minicom, 90% das antenas do 5G são isentas de licença

05/05/2021
TIM: 5G ‘puro’ é mais barato e rivais reclamam porque não fizeram VoLTE no 4G

05/05/2021
Huawei:5G exige empresas locais para aplicações e geração de talentos

05/05/2021
Um poço sem fundos no leilão 5G

05/05/2021
Índia libera testes de 5G no país só com fornecedores de fora da China

04/05/2021
Minicom pressiona TCU por edital e leilão do 5G em julho

04/05/2021
GE testa rede de ondas milimétricas da Verizon para novos serviços no 5G

03/05/2021
Na disputa do 5G, Apple lidera e chinesas ultrapassam a Samsung

28/04/2021
Futuro com 5G não será um nirvana, tampouco um apocalipse

Destaques
Destaques

América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

Debate com representantes do México, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Argentina e Brasil mostrou que bandas altas no 5G, como 26 GHz, está longe de unanimidade na região.  Colômbia, que prevê leilão 5G no final do ano, não planeja vender a faixa de 26GHz.

Brasil está fora dos países liberados pela Espanha para o Mobile World Congress

Programado para acontecer de 28 de junho a 01 de julho, o organizador, GSMA, fechou um acerto com as autoridades espanholas para isentar os participantes das restrições impostas às pessoas de fora da União Europeia.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro com 5G não será um nirvana, tampouco um apocalipse

Por Paulo Mannheimer*

O futuro, com 5G, não será nem o Nirvana dos Jetsons nem o apocalipse de "O Exterminador do Futuro". "Blade Runner" continua sendo minha maior aposta.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site