Clicky

Convergência Digital - Home

Nuvem exige atenção no ‘taxímetro’ aos órgãos públicos

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 20/08/2020

A Secretaria de Gestão do Ministério da Economia realizou nesta quinta, 20/8, um seminário online para orientar os órgãos públicos interessados em aderir à nova contratação da nuvem federal. E em que pese a vantagem de trocar os servidores ‘on premises’ por máquinas virtuais, o alerta importante para quem começa a transição é pela mudança total no sistema de pagamento. 

“Tem que ter cuidado com o taxímetro para ficar no ritmo que cada órgão espera. Dentro do Termo de Referência a gente prevê a possibilidade de gerenciar, com avisos de como está o consumo no serviço A, B ou C. Porque se rodar às cegas, pode ir passear onde não deveria e a conta fica mais alta”, apontou o coordenador geral de Contratações de Tecnologia da Informação e Comunicação, Sílvio Lima. 

“Estamos mudando o paradigma e quem está acostumado com on premises precisa ter cautela. O novo é o pagamento por serviço. Se pegar o status quo e não mudar o comportamento tem risco de exaurir o contrato antes do final, ficar sem saldo. Se não fizer a gestão, chega o momento em que os créditos já foram, o ambiente on premises não calcula custo de IP, custo de tráfego, o que é diferente na nuvem”, emendou Christiano Resende, do departamento de modelos organizacionais da Seges. 

Além da mudança de um único fornecedor de nuvem para o modelo de broker multinuvem, a nova contratação trouxe ajustes a partir da primeira experiência. A começar pelo contrato, que passa de 12 para 24 meses – podendo chegar a 60 meses. Além disso, diferente até da primeira versão do termo de referência, o formato individualizou contratações de SaaS, PaaS e IaaS. 

Outro alerta importante é que o modelo do pregão privilegia a migração de hospedagem – ou seja, deixar um servidor próprio pelo armazenamento na nuvem. “É importante a avaliação do esforço de migração, porque a reconfiguração de aplicações, quer dizer, alterações no código, não estão no escopo da contratação”, explicou Resende. 

A grande mudança, porém, é mesmo no modelo pagamento, fundamental para a administração pública. “É custeio. Em cenário de cortes e restrições de orçamento, sofre menos que investimento”, completou Lima. Só não pode, adverte, tirar o olho do taxímetro. 


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site