Clicky

Home - Convergência Digital

UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

Convergência Digital* - 06/07/2020

A Vivo Empresas, - segmento corporativo da Telefônica Brasil  - é a fornecedora de conectividade 4G e aplicações baseadas em Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) para mais de 88 mil hectares da Fazenda Guanabara, da UISA - uma das principais produtoras de bioenergia do País - no estado de Mato Grosso. A infraestrutura de conexão, além da rede 4G, inclui as redes Narrow Band IoT (NB-IoT) e Long Term Evolution for Machines (LTE-M), específicas para suportar todas as aplicações em IoT do projeto. Os valores do contrato não foram revelados pelas partes.

Enquanto a rede NB-IoT responde melhor por dispositivos estáticos - com aplicações de sensoriamento do clima como temperatura ambiente, humidade do solo e incidência solar, tipicamente utilizadas em estações meteorológicas - a tecnologia LTE-M apresenta melhor performance em aplicações que demandam mais mobilidade, como telemetria de maquinários agrícolas. A Vivo ainda será a responsável pela infraestrutura física que compõe o projeto, como a construção de torres, fornecimento de equipamentos eletrônicos para a prestação de serviço móvel e mais de 300 dispositivos baseados em IoT.

Com as soluções IoT Agro da Vivo, a UISA passará a ter uma produção mais digitalizada e ainda mais eficiente. De acordo com empresa, essa digitalização possibilitará a tomada rápida de decisões de negócio e de maneira ainda mais eficiente, apoiada por um ecossistema de IoT completamente aderente às necessidades do campo.

"A conectividade é a base para trazer mais inteligência ao agronegócio. Priorizamos levar às empresas, como é o caso da UISA, um amplo ecossistema de inovação ao agronegócio, que além da conectividade embarca soluções inteligentes e relevantes, que de fato ajudam a resolver os desafios da digitalização do campo. Todos os projetos são integrados em plataformas exclusivas de gestão, com foco no aumento da produtividade com menor custo operacional e otimização de recursos", explica o head de IoT, Big Data e Inovação B2B da Vivo, Diego Aguiar.

O diretor financeiro e de Novos Negócios da UISA, José Fernando Mazuca, afirma que a parceria com a Vivo tem potencial para alavancar a utilização das tecnologias disponíveis e criar um ambiente dinâmico e veloz para tomada de decisão, através da captação de dados da operação no campo em tempo real, trazendo eficiência e produtividade para o processo.

"Na forma como estamos estruturados hoje, os dados demoram de 3 a 4 dias para serem processados, e sempre estamos olhando no retrovisor. O projeto também vai permitir que a UISA e seus parceiros passem a vanguarda do desenvolvimento, utilizando da rede para criar novas ferramentas e soluções para ganho de eficiência", acrescenta.

Para Rodrigo Gonçalves, gerente executivo de TI da UISA, esclarece que o principal obstáculo a ser mitigado pela implantação da rede 4G no campo é a velocidade da informação. A parceria entre a UISA e a Vivo quebra uma barreira que há muito tempo afeta o agronegócio brasileiro.

"Hoje o campo está automatizado, mas não temos os dados em tempo real. Contamos com o Sugar (assistente virtual) onde podemos consultar nossa produtividade. Todo o nosso setor de Corte, Colheita e Transporte (CCT) é automático através de sensores e software, toda coleta de ponto e produção automática conta com o apoio de Inteligência Artificial e Machine Learning, mas no final do dia, esbarramos em comunicação. Não conseguimos estar online o tempo todo e assim, não tiramos proveito 100% das nossas automações", explica Gonçalves.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/01/2021
Vivo tem mais de 100 vagas abertas e busca cientista de dados

15/01/2021
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

14/01/2021
Inter fecha parceria MVNO com a Vivo atenta ao mercado pré-pago de voz e dados

13/01/2021
Vivo contrata OpenStack, da Canonical, para levar cobrança online para a nuvem

13/01/2021
Telefonica vende torres para American Tower por 7,7 bilhões de euros. Brasil faz parte do pacote

17/12/2020
Oi e Vivo querem ser compensadas porque clientes não usam mais telefone fixo

17/12/2020
Teles questionam vetos do governo ao uso do FUST em inclusão digital

17/12/2020
Sancionada, isenção de taxas para internet das coisas vale a partir de 2021

08/12/2020
Vivo adota PIX como meio de pagamento de recargas em canais digitais

03/12/2020
Provedora de IoT Cubic Telecom contrata infraestrutura da TIM para atuar no Brasil

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Edição de genes: como o 'reparo' do DNA pelo CRISPR impulsionará a Agricultura

Por Eduardo Prado*

Técnica permite o 'reparo' do DNA com altíssima precisão, o que permite, por exemplo, consertar 'mutações defeituosas' do DNA. A aparecimento da técnica deu um grande alento para o tratamento de doenças genéticas complexas. Estima-se que 6.000 doenças genéticas são causadas por mutações defeituosas, e apenas 5% delas pode ser tratada atualmente (sic!) ..


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site