SEGURANÇA

Urna eletrônica: Positivo e Diebold/Smartmatic têm oito dias para se ajustarem ao TSE

Ana Paula Lobo* ... 08/01/2020 ... Convergência Digital

Os fornecedores Positivo e Smartmatic do Brasil, em consórcio com a Diebold, ganharam oito dias do Tribunal Superior Eleitoral para adequarem as suas urnas eletrônicas para a nova licitação a ser feita pelo Tribunal para a aquisição de 60 mil equipamentos para as eleições municipais de outubro. O TSE admite que o prazo é 'bastante apertado', mas decidiu tentar 'salvar' a concorrência, uma vez que é preciso substituir as urnas fabricadas entre 2006 e 2008, defasadas tecnologicamente e ainda em uso no País.

Em dezembro, as fabricantes foram desqualificadas, mas, agora, vão poder reapresentar seus projetos dentro dos padrões legais exigidos pelo certame. O TSE possui algo em torno de R$ 60 milhões, bem abaixo do orçamento feito no ano passado, em torno de R$ 700 milhões para a atualização das 180 mil urnas em atividade.

Um ponto também a ser visto pelo TSE é o fato de a segurança das urnas ter sido quebrada em dois dos 13 planos de ataque simulados pelo próprio Tribunal, em dezembro. Os ataques bem sucedidos foram realizados pela equipe de peritos criminais da Polícia Federal, Paulo César Wanner, Ivo Peixinho e Galileu Batista de Sousa. Oficialmente, no entanto, o Tribunal Superior Eleitoral assegurou que o 'sucesso dos ataques não comprometeu o sigilo do voto ou a segurança do processo eleitoral".


Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.

GSI: Educar o cidadão é o pilar da estratégia de segurança cibernética

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República troca de marca - sai o cadeado e entra uma chave - para mostrar ao brasileiro que ações próativas são essenciais. "Não podemos atuar apenas como bombeiros nos ataques cibernéticos", afirma Ulisses Peixoto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G