OPINIÃO

Esqueceram do Software

Por Benito Paret*
27/06/2019 ... Convergência Digital

Na última década, temos concentrado muitos dos nossos esforços no sentido de definir um quadro legal que caracterize o software de forma clara, evitando os atropelos tributários que constantemente ameaçam nossas empresas e o futuro do desenvolvimento tecnológico e econômico do País.

Por exemplo, em fins de 2015, o CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária) publicou o Convênio ICMS 181, subscrito pelo principais Estados, que autorizou a cobrança de no mínimo 5% de ICMS para o setor de software. Inúmeros juristas consideram esta decisão ilegal, já que a Lei Complementar 116, de 2003, estabelece a incidência de ISS para o software. A decisão do CONFAZ representa, portanto, uma bitributação. Apesar disto, muitos estados, buscando um aumento de arrecadação, têm seguido essa decisão.

Dentre as diversas iniciativas visando corrigir tal anomalia jurídica e econômica, uma delas foi a “Ação Direta de Inconstitucionalidade” junto ao STF, na qual se contestava a validade de uma lei estadual que previa a incidência de ICMS sobre programas de computador. A decisão estava marcada para o dia 22 de agosto do ano passado, em sessão extraordinária. A sessão foi cancelada, e nada mais aconteceu.

Outro pleito histórico das entidades de TI, nunca atendido plenamente pelas instituições de fomento, é a criação de linhas de credito compatíveis com as caraterísticas do setor, com os valores e as garantias adequadas. É bem verdade que, no início deste ano, a Finep anunciou um programa, no valor de R$ 500 milhões em três anos, para apoio à aquisição de software e outros serviços – treinamento, implementação etc. O objetivo do Finep- Software é estimular, através da aquisição de software, o maior uso empresarial das tecnologias de informação e comunicação. Projetos de empresas brasileiras de qualquer porte poderão ser financiados em até R$ 150 mil.

No entanto, embora previsto para estar disponível a partir deste mês junho, que já caminha para o final, nada mais foi divulgado sobre a iniciativa. Será de fato implementada? Ou estaremos diante de mais uma promessa anunciada e nunca concretizada? Nos resta alertar mais uma vez para a importância estratégica do desenvolvimento de software e domínio da tecnologia no país.

Apesar de ouvirmos falar a todo momento de investimentos em tecnologias emergentes, infelizmente o destaque é para o papel das empresas multinacionais. Trata-se de uma dependência muito perigosa para o desenvolvimento nacional. Nosso futuro depende diretamente do fortalecimento das empresas nacionais de software. E elas só serão fortes num quadro de estabilidade legal e apoio financeiro adequado.

Benito Paret é Presidente do TI RIO – Sindicato das Empresas de Informática


Carreira
Empresa do setor imobiliário abre 100 vagas para Tecnologia em São Paulo

Entre os profissionais buscados estão cientistas de dados, engenheiros de dados, engenheiro de software, engenheiro para Android e iOS, entre outros. O processo seletivo é baseado em triagem de currículo, entrevistas com a área de Gente e Gestão, pares e líderes.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G