NEGÓCIOS

Compra da Xerox pela Fujifilm põe ponto final numa era da impressão

Ana Paula Lobo* ... 01/02/2018 ... Convergência Digital

Foram anos de crise profunda, de venda de negócios paralelos e de dívidas pesadas, mas, agora, a Xerox foi comprada pela FujiFilm Holdings por um valor de US$ 6,1 bilhões, e a companhia passa a se chamar Fuji Xerox. É o fecho de uma era de ouro de uma companhia de TI, que já foi sinônimo de fotocópia, mas não evoluiu e perdeu espaço para as rivais.

A consolidação dos negócios deve resultar na demissão de 10 mil funcionários e fechar mais fábricas no mundo, reportam agências internacionais.

A operação brasileira - comandada por Ricardo Karbage desde 2012, apesar de ainda ser vista como a maior da América Latina, perdeu muito espaço. No ano passado, a fábrica em Ilhéus, na Bahia, foi fechada. A fábrica de Resende, no Rio de Janeiro, já tinha sido desativada no começo da crise.

Numa análise de mercado fica tácito que a Xerox não se preparou para a virada do mercado de impressão e terminou 'engolida' pelos rivais HP, Epson e pelas próprias gigantes asiáticas, entre elas, a própria Fuji e a Samsung.  Até o momento, a Xerox do Brasil não reportou como fica a operação no país após a aquisição.

Na prática, a Fujifilm, agora, possui 75% da Fuji Xerox. As duas empresas disseram que a Fuji Xerox comprará essa participação da Fujifilm por cerca de US$ 6,1 bilhões, usando dívidas bancárias. A Fujifilm utilizará esses recursos para comprar 50,1% das novas ações da Xerox.

Segundo as companhias, a consolidação das áreas de P&D, compras e outras operações permitirão que a Fuji Xerox economize cerca de US$ 1,7 bilhão até 2022. Além disso, a combinação dos negócios reforçará o posicionamento da companhia em impressão e soluções inteligentes, com receita anual de US$ 18 bilhões.


Assespro promove o Censo do setor de TI edição 2019

Entidade conta com a colaboração das empresas do segmento para formular estratégias de desenvolvimento de novos negócios.

IBM: "Estamos sempre olhando para ativos no Brasil e no mundo"

"Qualquer aquisição passa pela autorização da matriz. Mas empresas interessantes são sempre analisadas", afirmou o presidente da IBM Brasil, Tonny Martins, ao ser indagado sobre a privatização das estatais de TI, Serpro e Dataprev, anunciada pelo Governo Bolsonaro.

TJ/SP autoriza Banco do Brasil a fechar contas-corrente da Mercado Bitcoin

Tribunal entendeu que não houve abuso de direito, nem indícios de violação à legislação concorrencial ou mesmo de ofensa à boa-fé por parte da instituição financeira com a corretora de criptomoedas.

SAP Brasil: quem tem de cuidar dos dados são as empresas

"É um novo momento para a sociedade e as corporações precisam se preparar", diz a presidente da SAP Brasil, Cristina Palmaka.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G