TELECOM

Em projeto de R$ 21 milhões, Vivo vai ofertar rede 4G LTE privada à Vale

Convergência Digital ... 19/11/2019 ... Convergência Digital

A Vale fechou um acordo com a Vivo para implementar uma rede privada 4G/LTE em suas operações no Brasil. O acerto vai otimizar o uso de equipamentos autônomos, que exigem cobertura em áreas amplas e tráfego para um volume expressivo de dados. O investimento no projeto será de cerca de R$ 21 milhões. Vale e Vivo serão as primeiras empresas a implantar uma rede de LTE privado com essas características no país.

A partir do primeiro semestre de 2020, a rede estará disponível na mina de Carajás (PA), onde no momento funcionam três perfuratrizes autônomas e em breve começarão a rodar também caminhões sem operadores na cabine. Em seguida, a inovação deve chegar à mina de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo (MG), onde operam 13 caminhões autônomos. A rede tem potencial de ser usada ainda para conectar instrumentos de monitoramento de barragens.

A novidade vai impulsionar o programa de veículos autônomos da Vale, que tem o objetivo de aumentar a segurança, retirando empregados da área de risco. Os autônomos trazem também ganhos de eficiência operacional e sustentabilidade ao aumentar a vida útil de equipamentos em cerca de 15% e reduzir o consumo de combustível e os gastos com manutenção em aproximadamente 10%.

A solução da Vivo, pioneira no mercado, foi escolhida devido à sua confiabilidade e experiência em redes de LTE privado. Também pesaram a segurança e a possibilidade de convergir diferentes tipos de tráfego numa mesma rede, como dados, voz, vídeo, etc. Em Brucutu, por exemplo, os caminhões autônomos que estão operando atualmente em uma rede com a tecnologia WiMax serão migrados para a nova rede futuramente.

"Além das vantagens com relação à cobertura e volume de dados, a utilização do LTE também é um investimento importante porque é escalável: todo o desenvolvimento de tecnologia celular deve seguir este padrão daqui para frente", explica Gustavo Vieira, diretor de TI da Vale. "O 4G é uma realidade e as atualizações tecnológicas feitas a partir daí terão custo menor do que de tecnologias que não são tão disseminadas".

"Uma solução de LTE privado supre as necessidades específicas das empresas, atendendo aos requisitos das aplicações de missão crítica que demandam alta segurança, mobilidade nas linhas de produção, espectro livre de interferências e priorização de tráfego, conectando um alto volume de dispositivos IoT em um ecossistema aberto e amplamente disponível", afirma vice-presidente B2B da Vivo, Alex Salgado.

A parceria possibilitará à Vale utilizar os serviços da Vivo nessas regiões. A operadora também disponibilizará cobertura 4G, o que facilitará a comunicação entre os empregados dentro das operações das minas. Na América Latina esse modelo de parceria com operadora está disponível somente no Chile, em fase de testes. A Vale também detém redes privadas 4G/LTE em suas operações no Canadá e na Malásia.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Dataprev contrata Claro por R$ 236 mil para ter fibra ótica no Rio de Janeiro

Contrato, publicado no Diário Oficial da União, prevê a interligação dos prédios do data center da estatal de TI no Rio de Janeiro à filial na mesma cidade, no bairro de Botafogo.

Autor da nova Lei das teles lidera entidade para brigar por banda larga

Ex-deputado Daniel Vilela vai presidir a Aliança Conecta Brasil F4, que nasce com apoio da Huawei, FiberX e da consultoria Teleco, mas quer novos associados. “Não existe economia digital sem infraestrutura”, afirma.

Consumidores: Banda larga é o serviço com menor satisfação, celular o melhor

Para a Anatel, como o padrão de consumo exige estar sempre online, percepção de qualidade é especialmente rigorosa com a conexão à internet.

Decreto da nova Lei de Telecom depende de acerto sobre renovação de frequências

“Entendemos que é melhor que a Lei também seja aplicada para os contratos vigentes e estamos tentando construir uma posição única de governo”, explica o secretário executivo do MCTIC, Julio Semeghini. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G