Home - Convergência Digital

Na mobilidade, os dispositivos vestíveis são os que mais vendem no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 08/07/2019

Dispositivos vestíveis representam a categoria que mais cresce atualmente entre os dispositivos móveis, apesar das limitações ainda relevantes pelos altos preços desse mercado de nicho. No Brasil, as vendas de artigos como ‘fit bands’, ‘smartwatches’, fones de ouvido e até óculos inteligentes atingiram a marca de 87.974 unidades no primeiro trimestre deste ano, um crescimento de 51,6% em relação ao mesmo período em 2018. Os dados são da IDC Brasil. 

Segundo a consultoria, essa categoria está ganhando maior projeção no Brasil, com grandes fabricantes investindo no lançamento de produtos no mercado nacional e consumidores mais interessados em saber e ter um ‘wearable’. Em 2018, foram vendidas 241,3 mil unidades de ‘vestíveis’, o que representa um crescimento de 44,2% em comparação a 2017. 

Para o ano de 2019, a projeção é de um crescimento de 91% nas vendas em relação a 2018, com um volume estimado em 461,7 mil unidades, sendo 208,5 mil básicos e 253,2 mil dispositivos smart. Os dispositivos mais simples, basicamente voltados ao uso para fitness e saúde (contagem de passos, monitoramento de sono), estão cada vez mais dividindo o espaço com produtos mais robustos e com especificações melhores, que oferecem funções como capacidade de baixar aplicativos de terceiros, notificação e realização de chamadas, recursos mais aprimorados como controle de glicemia e batimento cardíaco, e GPS mais preciso.

Em 2018, as vendas de dispositivos básicos corresponderam a 110,4 mil unidades, com crescimento de 7,2% em relação a 2017, enquanto os equipamentos mais inteligentes chegaram a 130,9 mil unidades, um aumento de 103,3%. No primeiro trimestre de 2019, esse movimento se confirmou, com crescimento de 19,5% no número de dispositivos básicos, com 39.360 unidades vendidas, e de 93,7% na categoria superior, com 48.614 unidades.

O fator preço tem um peso importante neste mercado, que ainda é limitado a um nicho premium. O ticket médio para os dispositivos básicos foi de R$ 1.069 no primeiro trimestre de 2019, e de R$ 2.156 para os smartwatches mais inteligentes. O alto custo é típico de novas categorias de produto, que usam componentes específicos e ainda não tem uma produção em grande escala. No caso do Brasil, esses dispositivos são importados e impactados pela carga tributária e dólar alto.

A IDC acredita que com a consolidação do mercado e fabricantes investindo em produtos tanto para os segmentos de entrada como premium, a tendência é de uma gradual massificação e redução do ticket médio. Enquanto no primeiro trimestre do ano passado os dispositivos wearables de marcas desconhecidas correspondiam a 44% das vendas, neste ano essa participação caiu para 4%. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

12/11/2019
Internacionalização é foco de plano decenal do MCTIC, com medidas em seis áreas

24/10/2019
Cimatec inaugura na Bahia o novo supercomputador brasileiro

22/10/2019
Itamaraty e Economia levam 19 startups para China

15/10/2019
NEGER Telecom lança sistema de alerta para barragens e áreas de risco

15/10/2019
Claro premia soluções móveis de estudantes e recém-formados

14/10/2019
Smartphone, vídeo online e aplicativos mudam cálculo da inflação no Brasil

10/10/2019
Maganine Luiza abre concurso para escolher startups

09/10/2019
Bateria de celular dá prêmio Nobel a três cientistas

03/10/2019
TOTVS abre laboratório de inovação nos EUA

26/09/2019
Finep tem crédito de R$ 200 milhões para projetos de indústria 4.0

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site