INCLUSÃO DIGITAL

Domicílios com Internet chegam a 67% no Brasil, mas desigualdade permanece

Por Roberta Prescott* ... 28/08/2019 ... Convergência Digital

O porcentual de domicílios brasileiros com acesso à internet subiu de 18%, em 2008, para 67% em 2018, mas a desigualdade de penetração permanece tanto no que se refere às classes sociais quanto às áreas urbanas e rurais. De acordo com a pesquisa TIC Domicílios 2018, lançada nesta quarta-feira (28/08) pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), o Brasil tem 46,5 milhões de domicílios com acesso à internet (67% do total) e alcançou 126,9 milhões de usuários de Internet (70% da população). São considerados usuários de Internet aqueles que fizeram uso pelo menos uma vez nos três meses que antecederam a pesquisa.  

No entanto, quando se analisa os recortes socioeconômicos e por região, ainda que tenha havia avanços, a desigualdade no acesso permanece. No recorte por classe socioeconômica, o porcentual de usuários das classes D e E passou de 30% em 2015 para 42% em 2017 e 48% em 2018. Com relação aos domicílios, houve um aumento de dez pontos porcentuais, passando de uma penetração de 30%, em 2017, para 40% em 2018 — em 2015, eram 16%. Já no recorte regional, a diferença entre as conexões urbanas e rurais aponta que ainda há muito espaço para ser explorado. Enquanto, 70% dos domicílios e 74% da população localizados nas áreas urbanas têm acesso à internet, apenas 44% das casas e 49% dos usuários em regiões rurais estão conectados.   

“Ainda existe a questão geográfica e socioeconômica. Vemos que a Internet tem avançado nos domicílios, mas segue a lógica da desigualdade social”, pontuou o coordenador da TIC Domicílios, Winston Oyadomari, durante a apresentação dos dados para a imprensa. Ele explicou que o avanço do uso da internet pelo telefone celular tem levado ao aumento da Internet, tanto que, primeira vez, metade da classe D e E é usuária de Internet. “Vemos cenário positivo com a Internet avançando para todos, mas vemos muita diferença quanto ao uso. Nas classes mais altas, há multiplicidade de dispositivos e na classe DE o uso está muito baseado no celular, o que reduz e limita as oportunidades de uso da Internet para educação e mercado de trabalho”, ressaltou o coordenador de projetos de pesquisas do Cetic.br, Fábio Senne. 

Senne explicou que, enquanto nas áreas urbanas 63% dos domicílios contam com a presença da banda larga fixa, que inclui conexões via cabo de TV, fibra ótica, linha telefônica (DSL), rádio e via satélite, nas áreas rurais, o porcentual cai para 51%. “A fibra ótica chega menos às áreas rurais, cerca de 20% (contra 40% no urbano) e aumentam as conexões de rádio e satélite. O que temos visto, ao longo da série histórica, é a importância dos pequenos ISPs no incremento do uso de fibra ótica: quase 80% dos pequenos provedores estão oferecendo fibra ótica”, disse o coordenador de projetos de pesquisas do Cetic.br.  

O dispositivo mais utilizado pelos usuários para o acesso individual à Internet segue sendo o aparelho celular, com 97%, um ponto porcentual a mais que em 2017. Já o computador (PC) caiu de 51% em 2017 para 43% e o uso da televisão subiu de 22% para 30% — nesta opção, os respondentes puderam apontar mais de uma opção. “Ao passo que a proporção de domicílios com computador estabilizou, em 2018, vemos o quanto avançou a proporção de domicílios nos quais a conexão chega, mas sem a figura do computador: 28% dos domicílios têm acesso à internet sem ter PC. O dispositivo principal é o telefone celular e caiu número de usuários que afirmam usar o PC, mas cresce o uso de Internet na televisão”, disse Oyadomari, explicando que serviços de vídeos têm puxado o aumento do uso da TV. Na edição de 2017, o Cetic destacou que, pela primeira vez, a proporção de quem usa apenas o celular para acesso à internet é maior em comparação com apenas computador e esta tendência se reafirmou em 2018. 

Ao destrinchar os números com relação ao dispositivo utilizado para acesso individual, a pesquisa mostra que 56% dos usuários de Internet usam apenas o telefone celular, enquanto 40% usam celular e PC e apenas 3% usam apenas o computador. Na classe DE, a diferença é ainda maior, com 85% dos usuários acessando apenas com o celular, enquanto que na classe A é de 12% apenas pelo celular e 84% usando celular e PC. 

Acesse á pesquisa completa aqui.


Carreira
Dissídio TI/São Paulo: Trabalhadores querem convenção coletiva para empresas com até 100 trabalhadores

Mediação entre trabalhadores e patrões de TI de São Paulo aconteceu no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Sem vislumbrar acerto com as grandes empresas, trabalhadores tentam negociar para as de menor porte. Nova audiência foi agendada para o dia 31 de março.

Saldo de R$ 1,2 bilhão vai para transmissores em cidades pequenas e banda larga na Amazônia

Divisão dos recursos já é considerada como questão pacificada entre  as operadoras móveis e as emissoras de TV. 

Mais da metade das mulheres no mundo está sem acesso à Internet

União Internacional de Telecomunicações adverte que o sexo feminino é o mais afetado pela desigualdade no acesso à banda larga, em especial, nos países em desenvolvimento.

Huawei: nação digital é o último estágio da transformação digital

Conceito ainda é muito novo, mas engloba o uso e a análise dos dados para retroalimentar produtos e processos, conta o diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil, Juelinton Silveira.

Audima cria ferramenta para levar conteúdo aos analfabetos digitais

A partir da própria dor, uma vez que tem dislexia, Paula Pedrosa criou a Audima, uma startup que transforma palavras em áudios. "O império da visão exclui muita gente. Nosso desafio, hoje, é mostrar que inclusão monetiza", observa a executiva.

Domicílios com Internet chegam a 67% no Brasil, mas desigualdade permanece

TIC Domicílios 2018, do CGI.br, revela que as classes D e E elegeram o smartphone como o meio preferencial de acesso.

Nas favelas, há jovens ávidos para aprender e trabalhar com TICs

O projeto Vai na Web já formou 200 jovens em linguagem de programação, mas, agora,busca recursos para ensinar as profissões do futuro como Inteligência artificial e internet das coisas.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G