Clicky

Home - Convergência Digital

Ericsson: É hora de transformar casos de uso do 5G em modelos de negócio

Da redação do 5x5 TecSummit - 11/12/2020

A Ericsson acredita que é hora de sair dos casos de uso do 5G para transformá-los em modelos de negócio. E, na visão do vice-presidente de negócios da fornecedora sueca no Brasil, Tiago Machado, a nova geração de redes móveis precisará endereçar não apenas o mercado corporativo (como Indústria 4.0 e agronegócio), mas também o do consumidor final. Para ele, o entretenimento vai gerar demanda por novas tecnologias, que por sua vez vai gerar novas formas de consumo de conteúdo.

Durante o 5×5 TECSummit nesta sexta-feira, 11, o executivo destacou que já há um avanço exponencial do consumo de conteúdo em smartphones – dados da Ericsson mostram que houve um aumento médio de 35% ao ano, totalizando agora 3h40 por dia à frente da tela do aparelho. Por isso o papel importante do 5G também para o usuário final. "O potencial para consumidor é enorme", diz Machado. "Ele usa 30% mais dados a cada ano na América Latina, em termos de gigas em cada smartphone. É um aumento maior do que outras regiões porque estamos em um momento de aceleração tecnológica."

Essa aceleração, que teria um mercado potencial de mais de US$ 31 trilhões até 2030, também é oportunidade para operadoras. Ainda de acordo com a pesquisa da fornecedora, um quarto das receitas das teles em 2030 será por conta da tecnologia 5G.Não que toda essa transformação esteja acontecendo na velocidade possível. Para Tiago Machado, as barreiras regulatórias e tributárias enfrentadas pelo setor de telecomunicações acabam por influenciar toda a cadeia de distribuição. Por conta disso, argumenta que é necessário reduzir a carga tributária e promover leilões de espectro com viés não arrecadatório, com conversões em investimentos.

Etapas

O que a Ericsson espera para o futuro, com o 5G e novas tecnologias, é baseado em cinco pilares:

  • Experiência aumentada: com redes capazes de entregar 10 Gbps, será possível entregar "holografia totalmente interativa", com conceitos de realidade mista, aumentada e virtual, para além dos dispositivos como óculos de VR.
  • Gaming expandido: com 78 milhões de brasileiros se classificando como gamer, o potencial de consumo passa por atingir esse mercado e a parcela que não joga. Para isso, novas experiências interativas e online.

  • Esportes ao vivo: não apenas o consumo de conteúdo em casa, mas para quem está presencialmente nos locais de competição – a previsão é que se possa acompanhar uma pessoa de forma remota a um estádio, por exemplo.

  • Novo vídeo: o tráfego desse tipo de conteúdo deve crescer para 77% de toda a Internet em 2026, sendo responsável também por 60% nas redes móveis. Com o 5G, isso deve aumentar. "O tráfego cresce como um todo, e o vídeo cresce ainda mais rápido dentro desse bolo", diz Machado.

  • Tudo é interativo: a experiência de assistir a um show musical com um smartphone já acontece, e deve aumentar ainda mais. Inclusive para o consumidor a distância.

Para chegar nesse nível de casos de uso como modelos de negócio, Tiago Machado recomenda que a empresa deve ser pioneira. "Introduzir o 5G primeiro, ser early adopter e facilitar para quem é early adopter", destaca o VP da Ericsson. O passo seguinte, então, é chegar ao público massivo, alcançando a maturidade para que o restante do consumidor possa de fato se sentir interessado pela tecnologia. Outros fatores são a convergência de serviços, e, enfim, ser digital em todos os aspectos e espaços para o usuário final.

O evento 5×5 TecSummit é organizado pelos portais jornalísticos especializados Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, TELETIME e TI Inside, com a proposta de debater a modernização de cinco setores essenciais para a economia brasileira. Inscreva-se gratuitamente e assista as apresentações passadas, sobre os setores de governo, saúde, energia, finanças e entretenimento já estão disponíveis.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/06/2021
5x5 Tec Summit terá segunda edição de 6 a 10 de dezembro

11/12/2020
Claro: Hábitos da quarentena transformaram as redes móveis

11/12/2020
Ericsson: É hora de transformar casos de uso do 5G em modelos de negócio

11/12/2020
Connectoway: Empresas de Internet precisam de mais CDNs

11/12/2020
Furukawa: redução de latência passa por uma boa infraestrutura de fibra e nuvem

11/12/2020
Dynatrace: sistemas na nuvem são dinâmicos e de complexa monitoração

11/12/2020
SAS: pandemia obrigou sistema financeiro a recalibrar seus algoritmos

11/12/2020
Diebold Nixdorf: Dinheiro em espécie não vai morrer tão cedo

11/12/2020
Itaú moderniza 1 petabytes de Banco de Dados com a Oracle

10/12/2020
Claro: serviços financeiros serão personalizados e vendidos em marketplaces

Destaques
Destaques

IBM: Com 5G e Edge, redes das teles serão plataformas definidas por software

Só assim as operadoras de telecomunicações vão ser capazes de suportar as novas aplicações e terão como monetizar volumes crescentes de dados habilitados para o 5G e edge aponta estudo global da IBM, conta a líder de serviços de consultoria para a indústria de mídia e Telecomunicações da IBM América Latina, Marisol Penante.

GSMA faz ofensiva para reverter decisões a favor do Wi-Fi na faixa de 6GHz

Associação da indústria móvel admite, porém, que os países, na sua maioria, estão decidindo por dar a faixa de 6GHz, com 1200 Mhz, para os serviços não-licenciados, mas adverte: o 5G vai precisar de 2GHz de espectro na próxima década para oferecer todo o seu potencial.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Serviços de Valor Agregado são a aposta das teles para lucrar com 5G

Por Luiz Pereira*

Em tempos nos quais o serviço de conexão já virou commodity, companhias do setor precisam diversificar ofertas para aproveitarem nova tecnologia.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site