NEGÓCIOS

Mastercard: pagamento instantâneo acirra 'guerra das maquininhas'

Por Roberta Prescott e Carlos Afonso ... 18/06/2019 ... Convergência Digital

A concorrência com os pagamentos instantâneos está apenas começando, sustentou João Pedro Paro Neto, presidente e CEO da Mastercard para Brasil e Cone Sul, em entrevista à CDTV, do Convergência Digital, durante o CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo.

"É uma novidade que está chegando ao mercado e que hoje está muito mais na fase de elaboração de como isto vai funcionar para termos de verdade esta solução implantada no mercado brasileiro. Acredito que no próximo ano vamos começar a ter experiências", disse.

De acordo com o Banco Central do Brasil, os pagamentos instantâneos são as transferências monetárias eletrônicas entre diferentes instituições nas quais a transmissão da mensagem de pagamento e a disponibilidade de fundos para o beneficiário final ocorre em tempo real e cujo serviço está disponível para os usuários finais durante 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias no ano.

"Iniciar um pagamento instantâneo deverá ser tão simples quanto selecionar uma pessoa na lista de contato do telefone celular (sem a necessidade de inserir informações como número do banco, da agência e da conta e o CPF do recebedor) ou ler um código único de identificação, como um QR Code, por exemplo. Tudo o que deverá ser necessário é um smartphone, uma conta em um prestador de serviço de pagamento (PSP) da escolha do consumidor e o aplicativo desse PSP", explica o Bacen em seu site.

Os pagamentos instantâneos são mais um capítulo na "guerra das maquininhas", uma vez que instituem que as liquidações dos pagamentos acontecem na hora, ou seja, o dinheiro fica disponível no mesmo momento para o recebedor. A Mastercard, explicou Paro Neto, já permite transferências entre pessoas que tenham cartão da bandeira.

Na entrevista, o presidente e CEO da Mastercard para Brasil e Cone Sul também comentou como está o uso de open banking pela companhia. "Temos feito bastante coisa e temos condições de operar nas diferentes formas de pagamento, tanto no modelo tradicional de cartão como no mercado P2P, que são as transferências entre pessoas", disse, citando parcerias que a Mastercard tem com empresas em outros mercados para o fomento da tecnologia. "No Brasil, estamos participando das discussões com o regulador para saber como isto vai acontecer, como vai ser desenhado e qual vai ser o melhor modelo para operar", completou.

O Banco Central do Brasil publicou, em 24 de abril último, comunicado com os s requisitos fundamentais para a implementação no Brasil do sistema financeiro aberto (open banking) — veja aqui .  Com base nos requisitos apresentados, a expectativa do Bacen é que o modelo de open banking seja implementado a partir do segundo semestre de 2020.

Também se espera que o Banco Central do Brasil submeta a consulta pública as minutas, no segundo semestre de 2019, propondo a definição, entres outros aspectos, de escopo, abrangência, responsabilidades, requisitos mínimos para operacionalização do modelo, controles internos, gerenciamento de riscos e condições mínimas para a relação contratual que venha a ser estabelecida entre instituições autorizadas e terceiros não autorizados, além do próprio cronograma de implementação.

"O mercado brasileiro [de open banking] nasce já mais sofisticado que outros mercados, porque temos uma lei de proteção de dados implantada no País, o que vai facilitar o trabalho", disse Paro Neto, da Mastercard. Na entrevista, ele também comentou o que é necessário para expandir a penetração dos meios eletrônicos de pagamentos no Brasil, dos atuais 40% para 60% do consumo das famílias. Assista à entrevista.


Cloud Computing
Backup e arquivamento de dados pessoais são os maiores riscos à privacidade de dados

Nos próximos dois anos, as organizações que não revisarem as políticas de retenção de dados para reduzir o volume de informações armazenadas e, por extensão, os dados que são copiados, enfrentarão um enorme risco de não conformidade, bem como os impactos, no bolso, de uma eventual violação.

Por mercado de BPO, Lumen IT compra Superabiz

Valor da transação não foi revelado pelas partes. Expectativa da fusão é simplificar o acesso às soluções de compliance fiscal, jurídico e para o SPED.

#RioéTech abre programação do Rio Info 2019

Evento, que chega em 2019 a sua décima sétima edição, já gerou R$ 250 milhões em negócios. Pré-eventos serão realizados em diversas cidades do Estado do Rio de Janeiro para aproximar empresas e Academia.

TI fica ainda mais estratégica na disrupção digital

“Onde existir um elo mais fraco pode haver uma disrupção grande e entrar uma fintech, uma startup”, lembra o vice-presidente de serviços financeiros da BRQ, José Antonio Afonso Pires.

Unisys: open banking só existirá com a LGPD implementada no Brasil

"Os dois são interligados porque a premissa maior é a segurança da informação", observa o vice-presidente e líder da Vertical de Serviços Financeiros para América Latina, Luís Rego. Decisão do Banco Central de postergar a consulta pública sobre o tema tem pontos positivos e negativos.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G