TELECOM

Embratel: satélites de baixa órbita miram novas aplicações de IoT e M2M

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 30/10/2019 ... Convergência Digital

Anos depois do final de iniciativas como a Iridium e a GlobalStar, as constelações de satélites de baixa órbita estão de volta ao mercado. A seu favor, neste retorno, elas têm tecnologia mais avançada e flexibilidade, que as tornam uma opção viável para aplicações de banda larga.

Em um painel realizado no Futurecom 2019, o diretor geral da Embratel Star One, Lincoln Oliveira, afirmou que há hoje um grande clima no mercado por causa da chegada das constelações de satélites de baixa órbita. “Isso tem nos levado a estudá-las para entender como poderão chegar ao nosso ecossistema e como conviverão com nossos satélites já existentes”, explicou. 

De todo modo, Oliveira disse que o mercado já sente o impacto destas novas constelações. Primeiro: como elas prometem serviços mais baratos, somente a expectativa de sua chegada já tem causado reduções de preço. Outra consequência é a criação de novas cadeias de valor no mercado. “Para enfrentar os desafios que estas constelações estão trazendo, o mercado tem desenvolvido novas formas de fabricação de satélites  e novos modelos de negócios. São benefícios interessantes provocados por estas mudanças”, avaliou.

Segundo o head de Desenvolvimento Corporativo para a América Latina da SES Networks, Fabio Alencar, no futuro o mercado deve assistir à convivência entre sistemas geoestacionários e as constelações LEO. “Tanto que estamos caminhando no sentido de desenvolver sistemas de controle e alocação de recursos, que serão importantes neste novo cenário”, afirmou.

Para Mauro Wajnberg, general manager da Telesat, o mercado está demandando bandas elevadas, baixa latência e menor custo por bit, o que torna a arquitetura LEO a mais indicada. “Uma constelação LEO entrega terabits e isso permite que tenhamos um custo menor pela escala de entrega”, disse, revelando que a companhia lançou seu primeiro protótipo LEO no ano passado e agora realiza suas primeiras provas de conceito.

Oliveira, da Star One, observou que as constelações em desenvolvimento vão atender aplicações de IoT, M2M e outras. É esta gama de possibilidades que tem atraído para o mercado empresas como a Amazon, que está desenvolvendo sua própria constelação. “É este cenário que temos utilizado como pano de fundo para avaliar e estudar nosso posicionamento daqui para a frente”, afirmou. Assistam à entrevista com Lincoln Oliveira, da Embratel Star One.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Sem definição no Senado, Carlos Baigorri assume como substituto na Anatel

Nome do superintendente de Outorgas e Recursos à Prestação da agência continua à espera de sabatina, desde outubro de 2019, pela Comissão de Infraestrutura.

Oi, Oi Futuro e Ministério da Cidadania integram Tecnologia à história das Telecomunicações

Espaço MUSEHUM-Museu das Comunicações e Humanidades - utiliza novas tecnologias como realidade vritual, 3D, celular e games para reportar a trajetória do mercado brasileiro.

MPF usa analytics para fiscalizar telefonia móvel

Câmara do Consumidor e da Ordem Econômica do Ministério Público Federal usa ferramenta que compila dados da Anatel para orientar promotores em cidades com “índices críticos”. 

Rede de IoT da American Tower atinge 220 cidades

Segundo a empresa, rede IoT/LoRaWAN trafegou mais de 1,7 bilhão de mensagens no ano passado, especialmente, nos segmentos de gestão de frota e ativos.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G