NEGÓCIOS

Mercado se retrai e venda de impressoras também desaba no Brasil

Da redação ... 16/09/2015 ... Convergência Digital

O mercado brasileiro de impressão comercializou aproximadamente 1,574 milhão de equipamentos de impressão no primeiro semestre, número que é 13,7% menor do que o apresentado no mesmo período do ano passado. Em receita, o mercado movimentou US$ 380,85 milhões, resultado 9,8% inferior,revela estudo da IDC Brasil.

Segundo o analista da consultoria, Diego Silva, os impactos poderiam ser até maiores se, em 2014 o cenário não tivesse sido atípico. “No ano passado, tivemos carnaval em março, Copa do Mundo e eleições presidenciais. Para o varejo, o calendário é vital para planejamentos e projeções, a diminuição de dias úteis é sinônimo inevitável de retração nas vendas. Então, quando comparamos os dados de 2015 com 2014, concluímos que, embora o mercado de impressão tenha sofrido queda, poderia ter sido mais desastroso, caso o varejo tivesse apostado mais no setor de impressão no primeiro semestre do ano passado”, conta o analista da IDC Brasil.

A pesquisa revela, ainda, que a diminuição nas vendas de equipamentos novos atingiu tanto a tecnologia jato de tinta (que atualmente representa 75,3% do total de vendas), como a tecnologia laser (24,7% das vendas) nos seis primeiros meses deste ano. “Os resultados de ambas as tecnologias são altamente influenciados pelos volumes de vendas dos equipamentos de menor porte que, em decorrência de suas especificações técnicas e precificação, são em sua maioria endereçados aos usuários domésticos, profissionais liberais e às pequenas empresas”, avalia Silva.

No segmento de serviços de impressão o cenário também demonstra resultados negativos no Brasil neste primeiro semestre. De acordo com o analista da IDC Brasil, atualmente é natural que haja, além de um agressivo movimento de corte de custos por parte das empresas públicas e privadas (diminuição dos volumes de impressão), uma paralisação de investimentos no segmento de impressão.

“Há poucos novos contratos de grande porte sendo concretizados e os que estão em período de renovação, passam por rigorosas negociações de redução de preços. Mesmo assim, levando-se em consideração todas as dificuldades enfrentadas pela indústria no país neste período, o mercado de impressão caminha para a maturidade, tem demonstrado fôlego e feito valer a afirmação de que o papel ainda é insubstituível, finaliza o analista”. Para 2015, a IDC projeta queda nas vendas de equipamentos de impressão. O mercado laser deve retrair 12% e, no mercado jato de tinta, a queda deve ser de 0,7%, na comparação com o volume de vendas registrado em 2014.

*Com informações da IDC Brasil


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G