NEGÓCIOS

Retração da economia segura renovação do parque de impressoras no país

Convergência Digital ... 27/04/2017 ... Convergência Digital

O mercado brasileiro de impressoras voltou a apresentar queda em 2016 e fechou o ano com 29% a menos de equipamentos comercializados em relação a 2015, quando já tinha caído 22,8%, segundo estudo da IDC Brasil. No ano passado, foram vendidos 1,8 milhão de equipamentos, sendo 1,4 milhão de modelos jato de tinta (queda de 27%) e 400 mil a laser (queda de 36,3%). 

Em receita, as vendas totais de 2016 geraram US$ 522 milhões, declínio de 23% na comparação com 2015, sendo US$ 323 milhões para o segmento laser e US$ para jato de tinta.

Segundo a projeção da IDC, em 2017 esse mercado deverá sofrer nova queda, com vendas de 1,5 milhão de equipamentos, ou 17% menos do que em 2016. Deste total, 1,1 milhão será de jato de tinta e 400 mil de equipamentos à laser, com quedas de 18% e 15%.

“Como o mercado brasileiro de impressoras já é maduro, o maior volume de compra não é mais para instalação de base e, sim, de renovação. Em 2016, com a crise político-econômica, o consumidor final e principalmente as empresas, reduziram os investimentos e não trocaram de equipamentos. Este cenário deve ser um pouco diferente este ano, com uma retomada, ainda que tímida, no segundo semestre”, diz Sergio Teixeira, analista de mercado da IDC Brasil.

Ainda de acordo com o estudo da IDC, há uma mudança de comportamento do brasileiro em relação à compra de uma impressora, o que tem feito com que muitos fabricantes invistam na melhoria de potência e no aumento da capacidade de impressão. “As impressoras tanque de tinta têm sido uma opção para quem busca equipamentos que usam suprimentos mais duráveis e com preços mais acessíveis. Até mesmo as impressoras laser de menor volume (com capacidade de impressão de até 29 páginas por minuto), se tornaram alternativas para o consumidor final e para as pequenas empresas.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".

No Brasil, 65% das empresas estão bem longe das regras da LGPD

Índice LGPD ABES mostra ainda que 40% das companhias brasileiras sofreram incidentes de violação nos últimos dois anos e 80% assumem que fazem, sim, coleta de dados sigilosos. "Não há mais tempo a perder", adverte o consultor da EY, Marcos Sêmola.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G