Clicky

Intervozes: Bens reversíveis valem R$ 121 bilhões e devem universalizar banda larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/05/2020 ... Convergência Digital

De longe um dos temas mais disputados no setor de telecomunicações do Brasil, o valor dos bens reversíveis, conforme projeções já indicadas pelo Tribunal de Contas da União, está na casa dos R$ 121,6 bilhões. É o que destaca o Intervozes ao participar da consulta pública da Anatel sobre a revisão do modelo e preparação da opção das concessionárias de telefonia em transformar os contratos em autorizações.

Para a entidade, a discrepância com os R$ 17 bilhões já sugeridos pela Anatel para o mesmo valor reflete argumentos que a Corte de Contas já apontou, e a própria agência já admitiu, sobre a fragilidade do monitoramento dos referidos bens reversíveis. Além disso, o Intervozes vale-se novamente do TCU para questionar a metodologia proposta pela agência. 

“Admitir que a apuração do valor econômico das concessões para reverte-lo em novos investimentos em infraestrutura para os serviços de dados se dê apenas com base em projeções futuras de exploração do STFC, sem considerar os vultosos ganhos que as concessionárias obtiveram desde 1998 até a data da adaptação, representaria iniquidade incompatível com o caráter público dos contratos ora em tela.”

Conforme apontado pelo TCU no Acórdão 2.692/2008, há diferentes riscos na interpretação da Anatel, especialmente pela “inexistência de critérios na fixação de fatores de transferência de produtividade das concessionárias e na mensuração de ganhos de produtividade” e pelo “acompanhamento deficiente do desempenho econômico-financeiro das concessionárias”. 

“A questão não é de somenos importância. Abrange o controle e a gestão do gigantesco patrimônio público federal, atualmente estimado em mais de R$121,6 bilhões, transferido às concessionárias, a partir do ano de 1998, e por elas livremente utilizado na prestação do serviço público de telefonia”, aponta o Tribunal de Contas. 

A Anatel, na prática, ainda não tem um valor oficial para o cálculo e repete a intenção de contratar uma consultoria internacional para avaliar o tamanho da vantagem das empresas em trocar as concessões do STFC por autorizações de serviço em regime privado. Vai daí que, para o Intervozes, “o processo de Consulta Pública está desprovido de subsídios econômicos de natureza fática e documental suficientes e sem o devido grau de consistência adequados à complexidade e relevância dos aspectos envolvidos”. 

Representantes da agência têm repetido, no entanto, que a mudança no marco legal das telecomunicações com a Lei 13.879/19, permite descartar o que se convencionou chamar de visão “patrimonialista” dos bens reversíveis – defendida pelo TCU – em favor da visão “funcionalista”, pela qual só serão calculados como reversíveis os bens na proporção de seu uso pela telefonia fixa, notadamente em declínio. 

“Apesar da clareza da decisão do TCU, a Anatel [2019] tem defendido que, pelo fato de a Lei 13.879/2019 ter sido editada em 3 de outubro do mesmo ano, ou seja, poucos dias depois do julgamento [do Acórdão 2142/2019, que analisou recurso da agência contra a primeira decisão], que as controvérsias estariam superadas e a agência não estaria submetida aos termos do Acórdão. A interpretação pretendida pela Anatel é inconstitucional, pois viola as garantias do ato jurídico perfeito e do direito adquirido, na medida em que defende que as regras de um contrato administrativo, resultado de um processo licitatório ocorrido há mais de 20 anos, que implica em vultosos recursos públicos que superam a casa dos R$ 100 bilhões, poderiam ser alteradas por uma lei posterior”, completa o Intervozes. 

Para a entidade, a mudança no modelo de telecom deve, superada a telefonia fixa, perseguir a ampliação do acesso à internet no Brasil. “Fundamental que se adotem também como premissas as garantias estabelecidas pela Lei 12.965/2014 – o Marco Civil da Internet, que elevou a conexão a Internet ao patamar de serviço essencial e por isso universal (...). [P]ara os consumidores de baixa renda que contratam planos com franquia e acesso limitado a Internet, a inclusão digital de fato não ocorreu”. 


Internet Móvel 3G 4G
5G privado para o B2B faz Telefônica fazer teste com rede open source TIP

Apetite das teles pelo 5G empresarial fez operadora, dona da Vivo, aderir a um grupo de trabalho para desenvolver uma arquitetura mais flexível em relação às operações tradicionais. Nova infraestrutura vai incorporar o OpenRAN. Testes em laboratórios serão em Madrid. Os de campo vão acontecer em Málaga, mas a operadora não revela cronograma de datas.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G