Clicky

Oi e Vivo pedem migração sem obrigações e renovação de frequências sem preço

Luís Osvaldo Grossmann ... 15/09/2020 ... Convergência Digital

As duas maiores concessionárias de telefonia fixa do país, Oi e Vivo, aproveitaram o Painel Telebrasil 2020 para apresentar uma lista de reivindicações à Anatel sobre como devem ser as condições para a migração dos contratos de concessão da telefonia fixa em autorizações de serviços em geral. E reforçaram que preço e obrigações associadas ao movimento devem garantir sustentabilidade econômico-financeira do negócio. 

“Na nossa visão o objetivo principal do novo marco legal (lei 13.879/19) foi viabilizar investimentos. Ele dá às concessionárias a faculdade de migrar, mas há desafios, como a composição do saldo. Para que seja feito de maneira adequada, é fundamental que se reconheça que já vivemos um cenário de insustentabilidade do STFC. E um ponto central no cálculo é a valoração dos bens reversíveis. Se essa valoração não for bem feita, as chances de não haver um consenso são muito grandes”, afirmou a vice presidente de assuntos regulatórios da Vivo, Camilla Tápias.

Nesse entendimento, por bem feita entende-se adotar a lógica pelo qual os bens reversíveis se resumem à proporção das redes utilizada para prestar o serviço de telefonia fixa no regime público. “É uma oportunidade de se reafirmar conceitos consagrados na Lei no que diz respeito à reversibilidade de bens, como o conceito da proporcionalidade. Ou seja, o bem que serve a mais de um serviço, só é reversível na quantidade proporcional necessária ao uso do serviço concedido”, defendeu a diretora de assuntos regulatórios da Oi, Adriana Cunha.

A nova relação regulatória após a migração, emendou, deve ser inferiores às atuais. “Obrigações que vão vir com a autorização devem ser aquelas necessárias para cobrir lugares onde não há outra alternativa para não onerar demais", adicionou a executiva da Oi. As empresas não chegaram a mencionar se o cálculo proporcional sobre as receitas obtidas com o STFC em regime público que foram convertidas em investimentos em redes privadas também devem fazer parte do saldo final.

De qualquer forma, a Anatel voltou a indicar que apesar de a proposta de regulamento da adaptação já ter chegado ao Conselho Diretor da agência, a conta final ainda depende da contratação de uma consultoria internacional e deverá necessariamente ser aprovada pelo Tribunal de Contas da União. “O equilíbrio no calculo é por óbvio o que estamos buscando. Mas nem é algo que a Anatel vai dizer sozinha, porque o órgão de controle vai tratar disso também”, explicou o superintendente de Planejamento e Regulamentação, Nilo Pasquali. 


Internet Móvel 3G 4G
Governo e teles negociam um piloto 5G standalone

O anúncio foi feito pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Segundo ele, seriam 20 pontos em todo o Brasil e outros ministérios participariam como o da Agricultura e o de Infraestrutura. "Queremos testar antes mesmo do leilão como funciona o 5G standalone. As negociações estão em andamento", disse.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Ganho global com Wi-Fi e Wi-Fi 6E chega a R$ 26 trilhões até 2025

Estudo destaca que o uso total da faixa de 6 GHz, com 1200 MHz para sistemas não licenciadas servirá como condutor de crescimento a taxas anuais de 150%. Também será essencial para o impulso da Internet das Coisas.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G