INTERNET

Medidas favorecem a adoção e IPv6 dispara no Brasil

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/12/2015 ... Convergência Digital

O empurrão funcionou. Os indicadores sobre o tráfego internet mostram que a preparação para o novo protocolo de endereçamento na rede deu um saldo no Brasil em 2015, conforme acertado entre Anatel, NIC.br e operadoras de telecomunicações. O percentual de usuários IPv6 que era de 0,1% quando o ano começou chega a dezembro em 6,42%.

Se o percentual parece pequeno (a média no planeta é 24,7%), é a leitura do lado dos usuários. Mais importante é que a preparação das redes disparou ainda mais e já chegou a 52,4% dos sistemas autônomos. Entre os conteúdos, medida a partir da quantidade de sites na web que suportam o novo endereço, a preparação é de 58,5%.

“O usuário não tem que se preocupar muito. Temos é que saber atender quando vier com IPv6. Novos usuários, novos serviços, nova população, como não tem mais IPv4, vão chegar falando IPv6. Um dia talvez a nova língua seja única. Mas a preocupação não é que todos falem só IPv6, mas que esses novos entrantes sejam atendidos, de forma bilíngue, até para que não encontrem ‘meia’ internet”, explica o presidente do NIC.br, Demi Getschko.

E isso os indicadores sugerem que está avançando. No geral, pela forma como medida pela Cisco (que tem um projeto específico, 6lab), a preparação do Brasil é de 27,6% (uma média daqueles percentuais). A Bélgica lidera (53%), seguida pela Suíça (47%), Alemanha (43%), Luxemburgo e Estados Unidos (39%).

“O crescimento grande em 2015 coincide com medidas na certificação de equipamentos”, destacou Rodrigo Zerbone, da Anatel, ao também discutir o tema em audiência realizada nesta segunda, 7/12, no Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional. “Mantida a curva, em breve teremos aumento substancial no índice de preparação, principalmente dos usuários finais no Brasil.”

Ainda em 2014, Anatel, NIC.br e teles discutiram como ‘incentivar’ a preparação, o que resultou em um calendário de certificação de equipamentos a partir do qual apenas os habilitados ao IPv6 receberão o ok do regulador. Paralelamente as principais redes se comprometeram com datas. E até o governo criou um cronograma para os conteúdos de e-gov.

Mas se o cenário mudou bastante, há ainda encrencas pela frente. Para começar, há um universo de aparelhos legados ainda disponível no varejo. “Temos no mercado equipamentos que só operam em IPv4. E é exatamente isso que a Anatel quer atacar ao formatar normas especificas de certificação”, diz o conselheiro. Difícil é impedir a venda de aparelhos que só operem em IPv6.

“O desafio mais próximo são os equipamentos terminais da telefonia móvel, o que tem que ser visto com muita cautela porque forçar implementações pode excluir parte da população do sistema, ao tirar equipamentos mais acessíveis, mais baratos, que só operam em ipv4. Se a Anatel não se atentar para essas questões, só teria equipamentos muito caros no mercado”, completou Zerbone.


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 

Facebook anuncia exclusão de mais de 50 milhões de postagens falsas

Trabalho de filtragem de conteúdo é  feito por algoritmos de inteligência artificial que identificam conteúdos abusivos com expressões de discurso de ódio, nudez adulta e atividades sexuais, violência e conteúdo explícito, bullying e assédio.

MPF: Expor em redes sociais quem descumpre isolamento é obrigação

Em nota técnica, Procuradoria dos Direitos do Cidadão defende ato de denunciar ou expor pessoas que promovem festas, reuniões ou outras atividades temporariamente proibidas.

MPF pede ao Google para tirar do ar vídeo de pastor vendendo feijão como cura da Covid-19

Valdemiro Santiago de Oliveira, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, vende por R$ 100 a até R$ 1 mil, sementes de feijão "mágico". 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G