NEGÓCIOS

Embratel: modelo de negócio de IoT exige o compartilhamento de resultados

Por Fábio Barros e Carlos Afonso ... 01/11/2019 ... Convergência Digital

Atender as demandas geradas com a expansão da Internet das Coisas mobiliza os fornecedores de serviços no País. Uma das preocupações do ecossistema é definir os melhores modelos de negócios. Ao participar do Futurecom 2019, que aconteceu de 28 a 31 de outubro, em São Paulo, a diretora de Soluções de IoT da Embratel, Elisabete Couto, sustentou que entregar valor ao cliente será o diferencial de concorrência. A executiva lembrou que, no mundo IoT, há muitas soluções tradicionais que são apenas conectadas e que isso não necessariamente cria valor para os clientes.

“Temos que ter isso em mente”, provocou Elisabete Couto, citando o modelo de PaaS (Platform as a Service) como exemplo, uma vez que o cliente não investe nada e toda a solução é construída pelo provedor, que aos poucos vai se aprofundando no negócio do cliente e oferecendo mais e mais valor. Um case citado por ela é o da Rolls Royce, que vendia turbinas e passou a vender serviços de manutenção. Com a mudança, a companhia passou a antecipar problemas de seus clientes, agregando mais valor a seu produto.

“Também acho bacana o modelo por resultados, quando a empresa implanta toda a infraestrutura dentro do cliente e compartilha os resultados dele. É muito usado para eficiência energética. Outro modelo é o de venda recorrente, onde você subsidia o ativo e captura valor na reposição de suprimentos”, defende.

Com todos estes modelos no radar, Elisabete apontou que a Embratel vem se focando no desenvolvimento de soluções sob medida para as necessidades de grandes clientes. “Um projeto de IoT leva uns dois anos para ser concluído e envolve muito o ecossistema do cliente. Para desenvolvê-lo, usamos um framework construído pelo cliente. É um desafio”, completou. Assista à entrevista com a diretora da Embratel, Elisabete Couto.


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

LGPD: Adequação passa pela governança e por mitigar os riscos digitais

Every Cybersecurity and GRC e RSA desenvolveram uma estratégia integrada para estimular a inovação e gerenciar os riscos aos negócios. Demanda por projetos aumentou na pandemia e mais de 30 já foram realizados.

Unicórnio brasileiro avança operações de pagamento para décimo país

Ebanx anunciou que também vai processar pagamentos no Uruguai. "Unicórnio" com mais de US$ 1 bi, empresa está também no México, Colômbia, Argentina, Chile, Peru, Bolívia, Equador e Uruguai, além do Brasil.

Finplace amplia em mais de 200% a oferta de crédito para PMEs

Criada no final do ano passado, a plataforma já movimentou mais de R$ 50 milhões e contabiliza 108 financiadores e uma carteira com mais de 500 clientes.

Se a bitcoin fracassar, o blockchain morre abraçado

FastBlock, empresa brasileira especializada em mineração por serviço, compra data center nos EUA para acelerar a mineração das criptomoedas. Ao Convergência Digital, o CEO Bernardo Schucman, adverte: Brasil não abre espaço à inovação. Sobre a credibilidade da bitcoin, o executivo diz que o estigma é concorrencial. "O velho mundo rejeita o novo. Golpes existem desde sempre. O que é a gangue do boleto?".



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G