Clicky

INCLUSÃO DIGITAL

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Por Roberta Prescott ... 21/07/2020 ... Convergência Digital

A infraestrutura tecnológica para suporte ao sistema brasileiro de saúde está aumentando, mas ainda há muito espaço para melhorias, ressaltou a coordenadora científica da TIC Saúde, Heimar de Fátima Marin, durante a apresentação dos resultados da pesquisa, divulgada nesta terça-feira, 21/7, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). 

Contudo, conforme salientou Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br, ainda que o cenário nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) tenha apresentado melhoria, existe uma parcela significativa de UBS sem computador e sem acesso à Internet. Isso, afirmou, é bastante relevante em um momento em que enfrentamos a pandemia Covid-19 e precisamos, mais do que nunca, que esses estabelecimentos estejam informatizados e conectados, de forma que possam contribuir com informações atualizadas para o controle e combate à doença.   

Em 2019, 92% dos estabelecimentos públicos de saúde tinham computador e 85% possuíam acesso à Internet, enquanto 100% dos privados declararam ter acesso à rede. O estudo também mostrou que ainda existem diferenças regionais na infraestrutura TIC disponível nos estabelecimentos: nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, 92% e 90% fazem uso do computador e 82% e 83% possuem acesso à Internet. A presença de computadores e Internet é maior nos estabelecimentos da região Sul (98% tem computador e 98% tem acesso à Internet), Sudeste (96% tem computador e 95% tem acesso à Internet) e Centro-Oeste (97% tem computador e 95% tem acesso à Internet).

“A pesquisa TIC Saúde e a Covid escancararam as desigualdades em informática  e o uso de tecnologia e informação para tomadas de decisão de tecnologia em saúde”, disse Marin, que ressaltou ainda a necessidade de aplicação de framework de interoperabilidade. Entre as UBS que estão conectadas no Brasil, 78% contam com sistemas de registro eletrônico de informação de pacientes, um aumento de nove pontos porcentuais em relação ao ano anterior. No País, 3,5 mil (9%) das UBS ainda não possuem computadores, e 7,2 mil (18%) não contam com acesso à Internet. O porcentual de UBS que mantém registros apenas em papel (25%, em 2019) se reduziu, enquanto o percentual das UBS que mantém os registros tanto em papel quanto em formato eletrônico aumentou, passando de 35%, em 2018, para 59%, em 2019.

Luciana Portilho, coordenadora da pesquisa, apontou que o porcentual de UBSs com acesso à internet e computador não mudou muito em relação à pesquisa anterior e destacou que a maior informatização das UBS impactou no tipo de dado do paciente disponibilizado eletronicamente, tais como dados cadastrais, vacinas e principais motivos que levaram à UBS.

Com relação aos serviços oferecidos pela internet, Portilho chamou a atenção para o fato de que, apesar do avanço na informatização das UBS conectadas, os serviços online oferecidos aos pacientes ainda possuem espaço para crescer no Brasil. Apenas 23% das UBS disponibilizam agendamento de consultas pela Internet, 20% a marcação de exames e 22% disponibilizam a visualização de resultados on-line.  

A TIC Saúde 2019 indicou maior adoção dos sistemas eletrônicos de registro de informação dos pacientes por parte dos estabelecimentos de saúde (82% em 2019, ante 73% em 2018), número que chega a 74% entre os públicos e 88% entre os privados. Neste indicador também foram verificadas disparidades entre as regiões: Norte (74%), Nordeste (77%) e Centro-Oeste (78%) apresentaram o menor percentual de estabelecimentos com sistemas de registro eletrônico. Esse número sobe para 90% nas regiões Sul e para 83% na Sudeste.

Os estabelecimentos públicos realizaram serviços de telessaúde em maiores proporções. Os serviços que estavam disponíveis em maior percentual de estabelecimentos foram: educação a distância em saúde (33% nos públicos contra 8% nos privados) e serviços de teleconsultoria (28% nos públicos contra 3% nos privados). As consultas entre médico e paciente realizadas unicamente pela Internet ainda não haviam sido regulamentadas na ocasião em que os dados da pesquisa TIC Saúde 2019 foram coletados.

Com relação a políticas de proteção de dados, a pesquisa mostrou que apenas 16% dos estabelecimentos públicos e 44% dos privados afirmaram possuir uma política de segurança dos dados. Entre as ferramentas de segurança mais utilizadas, tanto nos estabelecimentos públicos quanto privados, estão: antivírus (83% dos públicos e 98% dos privados), proteção via senha do acesso ao sistema (72% dos públicos e 82% dos privados) e firewall (44% dos públicos e 59% dos privados). 

Os estabelecimentos públicos apresentam ferramentas de segurança mais sofisticadas em menores proporções, como é o caso de criptografia de dados (27% dos públicos e 44% dos privados), certificado digital (16% dos públicos e 57% dos privados) e assinatura eletrônica (15% dos públicos e 51% dos privados). Estes resultados demonstram que a maioria dos estabelecimentos públicos ainda precisa realizar mudanças e adaptações para se adequarem às exigências previstas pela Lei Geral de Proteção de Dados, que entrará em vigor em 2021.


Desigualdade econômica acentua exclusão digital do campo no Brasil

Estudo mostra que na região, 77 milhões de pessoas não tem acesso à internet. No Brasil, que puxa os índices agregados para cima, diferença é gritante entre grandes e pequenas propriedades. Levantamento mostra que 244 milhões de pessoas na AL não têm acesso à Internet.

Em Telecom, estratégia do governo até 2031 ainda corre atrás de inclusão digital

Decreto 10.531/20, com a Estratégia Federal de Desenvolvimento da próxima década lista banda larga no Norte e Nordeste, backhaul de fibra e redução do gap digital. 

Telebras: Justiça confirma legalidade do acordo com a Viasat por satélite

Juízo da 5ª Vara Federal do Distrito Federal concluiu pela legalidade do acordo firmado com a empresa norte-americana e julgou improcedente todos os argumentos da Via Direta e da Rede Tiradentes, de Manaus. Disputa já dura dois anos e meio.

MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G