TELECOM

Privacidade divide Anatel e MCTIC em uso de dados móveis no combate à Covid-19

Luís Osvaldo Grossmann ... 03/04/2020 ... Convergência Digital

Anunciada pelas operadoras de telecomunicações, a ação conjunta para disponibilizar dados de geolocalização dos telefones celulares divide Anatel e o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, num reflexo local das preocupações globais com o uso crescente da tecnologia como ferramenta de monitoramento, ainda que pelo forte motivo de combater a disseminação da pandemia de coronavírus. 

Como expresso na troca de documentos governamentais sobre a iniciativa, a agência pondera que “ferramentas iniciadas com um determinado propósito podem rapidamente evoluir para formas de rastreamento, em última instância, pessoa a pessoa com a produção de elementos que venham a ser inclusive objeto de debate no Judiciário. Afinal, não custa lembrar que os dados de localização dos indivíduos, ordinariamente no âmbito das investi gações criminais, só podem ser compar tilhados por força de decisão ou autorização judicial, o que demonstra a sensibilidade desta discussão”. 

No MCTIC, essa visão é vista como exagero. Em especial porque a preocupação com a privacidade levou a pasta a buscar um parecer jurídico, cuja conclusão foi de que não há uso de dados pessoais quando as informações são agregadas e anonimizadas. E que o uso da informação é amparado tanto pela Lei Geral de Proteção de Dados (13.709/18) – que ainda não está em vigor – como pela recentíssima Lei 13.979/20, que trata das ações contra a pandemia. 

De sua parte, as operadoras prometem que não há violação de privacidade. “Não se trata de dado pessoal, muito menos de monitoramento. Estamos falando de dados aglomerados, estatísticos e anonimizados. Quando um celular é ligado ele se conecta a uma antena próxima. Quando há deslocamento, ele vai mudando de antena. Isso fica registrado na Estação Radio Base e esse é um dado estatístico, não pessoal, capaz de mostrar quantas linhas ficaram conectadas naquela ERB no dia, na hora, no minuto. O que está sendo disponibilizado para o governo é o dado estatístico aglomerado que fica registrado na ERB”, explica o presidente do sindicato nacional das operadoras, Sinditelebrasil, Marcos Ferrari. 

Todo cuidado com a privacidade faz sentido. Por coincidência, o anúncio da iniciativa das operadoras foi feito no mesmo dia em de uma declaração conjunta de 103 entidades internacionais, como Humans Right Watch, Anistia Internacional, Fundação WWW, Access Now e a brasileira Intervozes, alertar que  “o uso de tecnologias digitais no enfrentamento da pandemia precisa respeitar os direitos humanos”. “Qualquer uso de tecnologias de monitoramento digital em resposta à Covid-19, inclusive sistemas de big data e inteligência artificial, deve endereçar o risco de essas ferramentas facilitarem a discriminação e outros abusos de direitos”, aponta o documento. 

“Esse é um debate sério. É evidente que os dados coletivos são importatnes para se tomar decisões nas politicas públicas, mas seria fundamental olhar cada projeto em detalhe e pedir que os agentes decisórios assumam um compromisso público de finalidade, de adequação. A LGPD fala em finalidade específica, que está um pouco incorporada na Lei 13.979/20, quando fala que o poder de requerer dado é específico para contenção da propagação da Covid-19”, ressalta o coordenador de pesquisas do Data Privacy Brasil, Rafael Zanatta. 

Para o advogado e professor Danilo Doneda, a LGPD em vigor daria até mais segurança ao uso desses dados, por mencionar o uso da informação para proteção da vida. “Acho que é preciso usar todas as armas possíveis, mas também precisa manter cuidados porque vai ter muita coisa mal feita. Não tem como não fazer essa utilização, mas fico temeroso que o governo esteja jogando para  a torcida, vai usar o dado que nem sabe muito bem para que. E vale frisar que dado de localização não é anônimo. Saber onde alguém está às 3h da manhã facilita identificação. Portanto, é claro que tem risco. O que reforça a necessidade de termos a maior transparência possível, especialmente em se tratando de saúde.”

Como explicam as operadoras, os dados que serão colocados à disposição do governo vão mostrar aglomerações e deslocamentos, o que convenciono-se chamar de “mapas de calor”. “O governo vai ter disponível uma grande ferramenta, de maneira gratuita, e a partir disso pode gerar coisas que quiser a partir de sua própria governança, seja via universidade, startup, empresa de IA. Mas é uma solução única e exclusivamente para o coronavirus, não é algo que vai perdurar. Quando encerrar a calamidade, acaba essa disponibilização das informações”, afirma o presidente do Sinditelebrasil. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Oi lança internet por fibra ótica com 400 Mega de velocidade

 Internet por fibra ótica é o coração da estratégia de negócios da Oi e já tem mais de 1 milhão de clientes no país

Anatel discute quais dados econômicos vão ser coletados das grandes operadoras

Consulta pública sobre os indicadores econômico-financeiros está aberta por 45 dias. 

Anatel afasta redutor de multas em sanções de obrigação de fazer

Provocada pela Telefônica, prevaleceu o entendimento indicado pela AGU de que o regulamento vigente da agência não permite o uso desse incentivo fora das sanções pecuniárias.

Anatel vai discutir uso dos espectros ociosos em consulta pública

Proposta de uso do White Spaces entre frequências outorgadas é cautelosa ao prever uso em áreas rurais e regiões remotas.  Ideia é permtir o uso secundário para telefonia e banda larga em áreas rurais e regiões remotas.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G