INCLUSÃO DIGITAL

No Brasil, 4,8 milhões de crianças e adolescentes não têm acesso à Internet

Por Roberta Prescott* ... 23/06/2020 ... Convergência Digital

Na pandemia,  diante do distanciamento físico como medida para conter a propagação da Covid-19, a internet passou a ser “a janela para o mundo”. Mesmo realizada em campo antes da propagação do novo coronavírus, a 8ª edição da pesquisa TIC Kids Online, ressalta a importância que a conectividade tem para crianças e adolescentes de 9 a 17 anos no Brasil e destaca que a desigualdade no acesso — um desafio ainda a ser vencido — coloca os mais pobres e os moradores de áreas rurais em desvantagem.  

Na transmissão on-line para compartilhar os principais resultados da pesquisa, Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br, abriu sua fala chamando a atenção para as 4,8 milhões de crianças que vivem em domicílios sem acesso à internet. “Com condições limitadas de acesso à internet, há menor engajamento da criança aos processos de ensino e aprendizagem”, disse, completando que o acesso limitado se dá, sobretudo, nas classes D e E, entre a população das áreas rurais e remotas, e nas regiões geográficas Norte e Nordeste. 

“Ficam muito evidenciadas as desigualdades digitais que ainda persistem em nosso País. E, em um período em que praticamente a totalidade das escolas está fechada, a falta de acesso à internet amplifica esta desigualdade existente e é um fator limitador ao acesso a conteúdos educacionais, cultura e também habilidades digitais”, completou Barbosa.  

Coordenadora da pesquisa, Luísa Adib Dino afirmou que o dado de que 89% das crianças entre nove e 17 anos estão conectadas traz um aspecto positivo e tem de ser comemorado. “Temos aumento de participação deles no ambiente online, mas um ponto de atenção é que ainda há diferenças no acesso. A conectividade na classes AB é de 100%, enquanto na DE é de 80%; e têm também diferenças geográficas entre urbana (92%) e rural (75%)”, apontou. 

No Brasil, 3 milhões de crianças e adolescentes ainda não são usuários de internet, sendo que 1,4 milhão nunca acessou. Sobre o principal motivo para não usarem a internet, 94% dos respondentes disse não ter conexão em casa. A TIC Kids Online 2020 mostrou que 4,8 milhões de crianças e adolescentes de 9-17 anos vivem em domicílios sem acesso à Internet no Brasil (18% dessa população). 

Luísa Adib Dino enumerou três tendências levantadas pela pesquisa: aumento do uso do telefone celular; aumento do acesso à internet pela TV e queda do uso do computador. Embora a popularização dos dispositivos móveis tenha propiciado que mais crianças e adolescente acessassem a internet, o número elevado (58%) de pessoas que acessam a internet exclusivamente pelo celular é alto, o que traz implicações nas habilidades digitais.

A pesquisa mostrou que o acesso exclusivo por computadores é de 2% e o acesso combinado, por meio de computador e celular, é de 37%. Na divisão das classes sociais, o celular é uso exclusivo por 73% na classe DE, 59% na C e 25% AB. Considerando o celular como dispositivo mais usado, tipo de conexão se dá por principalmente por Wi-Fi (87%), sendo 49% por 3G e 4G.  “Predominantemente, o acesso é domiciliar, feito na casa ou na casa de outra pessoa, o que é uma tendência internacional. No Brasil, o acesso na escola acaba sendo reduzido, mesmo que na classe AB seja maior”, disse a coordenadora. 

Fabio Senne, coordenador de projetos de pesquisas do Cetic.br, lembrou que o uso da internet para pesquisas escolares é a porta de entrada para utilização da internet de forma geral, o que também ocorre em outros países. “Mas as desigualdades aparecem maiores no Brasil, entre classes sociais, o que pode ter convergência com as dificuldades da presença de conectividade e dispositivo no domicilio. Temos de valorizar que nossas crianças e adolescente já fazem uso educativo, mas tem muita diferença ainda”, disse. 

Confira a apresentação para imprensa

MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Processo de levar acesso à Internet para as Unidades Básicas de Saúde(UBS) não avança e apenas 23% delas disponibilizam agendamento de consultas pela Internet. Nas unidades privadas, o atendimento online está em 100% do segmento. Diferença é evidente na comparação do Norte e Nordeste com o Sul e Sudeste.

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.

MEC exige energia elétrica nas escolas para levar banda larga

Escolas precisam também estar  em área de cobertura terrestre ou via satélite, e ter mais de 14 matrículas em 2020. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G