Clicky

GOVERNO » Legislação

Supremo confirma que software não paga ICMS

Luís Osvaldo Grossmann ... 18/02/2021 ... Convergência Digital

Agora é oficial. O Supremo Tribunal Federal concluiu o julgamento das ADIs 1945 e 5659 e, assim, encerrou o debate proibindo a cobrança de ICMS sobre o software. Ou, nas palavras do relator José Dias Toffoli, pela “incidência exclusivamente do imposto municipal tanto no licenciamento quanto na cessão do direito de uso de programas de computador”.

Levou mais de 22 anos de questionamentos constitucionais à bitributação. Há 15 anos, pela Lei Complementar 116/03, o tema parecia superado. Mas os estados começaram a buscar brechas e baixar normativos autorizando a cobrança de ICMS.  

"A decisão era mais que necessária. O setor vivia numa insegurança jurídica perpétua e houve recrudescimento das ações dos estados. O fim dessa querela, com a decisão favorável ao ISS, vai ser um alívio para o setor de software. Não por esta ou aquela alíquota. Mas pela segurança. Que seja um ou outro. O que não pode é ser os dois", avalia o presidente da Brasscom, a associação brasileira das empresas de TIC, Sergio Paulo Gallindo. 

O placar final foi apertado. Nesta quinta, 18/2, Kassio Nunes Marques acompanhou a minoria e somou cinco votos favoráveis ao ICMS – no caso do último ministro a votar, por entender que mesmo incorpóreo, o software se assimila à energia elétrica, também alvo do imposto estadual. 

Mas se o julgamento encerra o mérito da bizantina discussão, resta o impacto de mais de duas décadas de briga judicial sobre os tributos já recolhidos, ou mesmo não recolhidos. Como apontou o relator, para evitar uma nova corrida aos tribunais sobre o que deveria ter sido tributado e por quem. 

Toffoli até encaminhou uma tentativa de modulação. A linha proposta é de que “a eficácia desse julgamento seja a partir da ata de publicação do julgamento, esclarecendo que até a véspera, quem já recolheu ICMS não poderá pedir repetição de indébito. E o município não poderá cobrá-lo se já foi pago ICMS”. 

Decidiu-se buscar uma redação que reúne a maioria qualificada de oito votos – que não existiu no mérito, vencido por 6 a 5. A intenção é votar um texto de modulação, do qual Toffoli também será relator, na abertura da sessão de 24/2. 


LGPD: cidadão vai controlar dados pessoais pelo portal Gov.br

Promessa é secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro. Plataforma permitirá ao cidadão revogar autorizações, ou reclamar à CGU.

Economia será o 'tinder' do financiamento para evitar desperdício no governo digital

“Não faz sentido um estado investir em uma identidade digital se já temos uma no governo, ou dois municípios gastarem com plataforma de gestão de tributo local”, explica o secretário Luis Felipe Monteiro.

Estados e municípios vão ficar com US$ 1 bilhão do BID para digitalização

Ao Convergência Digital, o secretário de governo digital, Luis Felipe Monteiro, assegura: “Impacto na economia vai chegar a R$ 100 bilhões."

Deputados aprovam urgência para o PL de privatização dos Correios

União teria a obrigação de  prover o serviço postal universal, que inclui encomendas simples, cartas e telegramas. Todos os outros produtos poderão, se o PL 591/21 for de fato aprovado no Congresso Nacional, serem repassados à iniciativa privada.

Ministério da Justiça exige cadastro de redes sociais no Consumidor.gov.br

Nova portaria da Secretaria Nacional do Consumidor amplia o rol de empresas que devem fazer parte do portal de mediação online de atendimento aos consumidores. 



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G