NEGÓCIOS

"Vamos ser atacantes no mercado de TI", afirma Corsini, da DXC Technology

Ana Paula Lobo ... 08/05/2017 ... Convergência Digital

No último dia 03 de abril, surgiu, oficialmente a DXC Technology, resultado da fusão entre a unidade de serviços da Hewlett Packard Enterprise (HPE) e a Computer Sciences Corporation (CSC). A companhia desponta como a terceira maior prestadora de serviços de TI - ficando atrás da IBM e da Accenture - com atuação em 70 países e 170 mil funcionários, 6 mil clientes e 250 parceiros globais.

"Até o dia 31 de março, CSC e HPE Brasil tinham atuação separada e agiam como concorrentes. Não houve conhecimento prévio e a própria fusão está acontecendo num tempo recorde. A nossa grande vantagem é que há uma complementariedade de portfólio. As sobreposições praticamente inexistem. Não houve uma disrupção dos negócios. Ao contrário. No mundo, se há uma sobreposição de clientes é abaixo de 15%. No Brasil, esse percentual cai para menos de 2%", afirma Luciano Corsini em entrevista ao portal Convergência Digital.

O executivo reforça que a DXC Technology será agnóstica à tecnologia. "Estamos direcionando os esforços para serviços. Até porque muitos devem estar se perguntando como uma empresa não terá mais hardware nem licença de software para vender? O nome do nosso jogo é parceria. Nossos pilares de atuação são cloud, segurança, analytics e mobilidade, que são os mesmos suportes da transformação digital. Na prática: não há empresa grande que conseguiu se livra do legado e dos ambientes estanques. E elas precisam de serviço de TI para integrar os mundos", acrescenta Corsini.

Segundo ainda o presidente da DXC Technology, os clientes no Brasil foram comunicados da fusão e estão reagindo bem à nova empresa. "Somos uma empresa nova, mas não nascemos ontem. A transação foi divulgada há 10 meses. Houve uma complementariedade. E se os concorrentes quiserem ir na nossa base, nós vamos na base deles. Nós seremos atacantes no mercado. Não vamos ficar na defesa", sinaliza.

Corsini admite que 2017 está confuso, ainda há uma busca por estabilidade política e econômica, mas admite que os projetos começam a ser viabilizados, especialmente, em segmentos como agronegócios, telcos e saúde. "Verdade é que o Brasil precisa andar. Foram dois anos muito complexos. Há dinheiro na mesa e vamos brigar por esses recursos", completou o executivo. Omar Rodrigues, que liderava a CSC no Brasil, segue na empresa. "O conhecimento dele é crucial para o nosso plano de atuação", reforça Luciano Corsini.



Cloud Computing
Universidade de Nova York escolhe empresa brasileira para projeto de nuvem

Plataforma desenvolvida pela Radix garante segurança de informações confidenciais e é usada por diferentes agências norte-americanas para abrigar mais de 50 bases de dados confidenciais, em todos os níveis do governo dos Estados Unidos.

NVIDIA: Inteligência Artificial exige mais profissionais no Brasil

Inteligência Artificial é o mercado mais promissor para novos negócios, revela o gerente de desenvolvimento da área Enterprise da NVIDIA, Marcio Aguiar. No Brasil, a NVIDIA adota a estratégia de abrir suas APIs para o desenvolvimento e pesquisa.

Assespro Paraná será um agente de crédito para empresas de TI

Entidade poderá intermediar de R$ 20 mil a R$ 1,5 milhão. Empresas com faturamento entre R$ 360 mil a R$ 16 milhões podem se candidatar aos recursos.

Blockchain vira um vale de desilusão nas corporações

A advertência é feita pelo Gartner, uma vez que os gestores admitem que  boa parte dos projetos não consegue ir além da fase inicial de experimentação. A consultoria elenca sete erros cometidos pelas empresas, entre eles acreditar que exista um padrão de interoperabilidade e que a tecnologia está pronta para o uso.

Rakuten: não há lugar para todos na guerra das maquininhas

A maior concorrência entre os fornecedores beneficia lojistas e consumidores, afirma o CEO e presidente da Rakuten no Brasil, René Abe. Com a LGPD chegando, empresa recomenda a atualização imediata das plataformas para evitar, entre outros, o roubo de dados pessoais.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G