Clicky

Convergência Digital - Home

Caixa aproveita contratos não usados e avança na nuvem pública com a Microsoft

Convergência Digital
Da redação - 24/06/2020

Sem o uso da computação em nuvem, o programa Auxílio Emergencial não teria saído do papel na velocidade necessária, afirmou o VP de Tecnologia da Caixa, Claudio Salituro, no CIAB Febraban 2020, nesta quarta-feira, 24/06. O executivo lembrou que a Caixa começou a sua jornada digital depois dos demais concorrentes e a existência de contratos já assinados, mas não usados pela gestão anterior a de Pedro Guimarães, com a contratação de nuvem pública, foi crucial para viabilizar um programa do tamanho do Auxílio Emergencial em menos de 10 dias. 

O contrato com a Microsoft foi falado pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante o painel dos CEOs no CIAB Febraban. Segundo ele, o auxílio emergencial se transformou em história de sucesso da empresa norte-americana. O nome do segundo fornecedor não foi revelado pelas partes, mas fontes do mercado afirmam que foi a AWS.

"Não haveria processamento suficiente para suportar 200 milhões de downloads dos aplicativos criados para atendimento ao cidadão se não fosse a nuvem pública, capaz de se adequar ao projeto de forma veloz", observou Salituro. A Caixa também reforçou o legado. Tanto que em evento da Caixa, o executivo assumiu que a instituição reforçou o uso dos mainframes para suportar o alto volume de dados, sem adiantar o montante investido.

Salituro adicionou ainda que a digitalização permitiu à Caixa descobrir um fornecedor na Dinamarca para superar o gargalo principal do programa: as filas no atendimento. "Chegamos a essa empresa pela rede. Foi tudo 100% digital. A negociação, a contratação. Foi uma corrida o tempo todo",disse.

Claudio Salituro, que está à frente da TI da Caixa há seis meses, ressaltou que além da mudança cultural dos funcionários, teve também que lidar o mundo legado com o digital e fazer toda a integração de forma segura e muito rápida. "A pandemia nos trouxe para o mundo digital e do qual não temos mais como sair. Nem queremos. Temos pelo menos 54 milhões de contas digitais para administrar e incentiva o consumo de serviços financeiros", concluiu.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Destaques
Destaques

Justiça do DF diz que dados em nuvem não têm proteção contra quebra de sigilo

Para o relator do caso, "dados armazenados em nuvem não evidenciam uma comunicação de dados" e, por isso, não estariam protegidos pela legislação. 

"Chegamos para brigar com AWS, Google e Azure na nuvem pública", diz José Nilo, da Huawei

Empresa monta o seu segundo data center no Brasil, em local não revelado por segurança, e diz que vai também aumentar presença na oferta de Kubernetes e contêineres, hoje dominada pela Red Hat, da IBM.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A Covid-19 e o governo digital

Por Marcos Boaglio*

A digitalização impõe adotar uma cultura de inovação na qual se fomente a experimentação, derrubar barreiras a partir de novos veículos de aquisição e implementar uma classificação de dados moderna, assim como desenvolver capacidades para empoderar os trabalhadores para finalmente aproveitarem as novas tecnologias.

Dados, quem sabe usar, sobrevive. Quem não sabe, fica fora da corrida!

Por Douglas Scheibler*

Se tem algo que não falta para 2021, são perguntas. Quando teremos a vacina eficaz para a Covid-19? Poderemos encerrar o isolamento social? Retomaremos nossas rotinas normais? Tudo isso ainda não tem resposta. Mas o que norteará a tomada de todas estas decisões, além de muitas outras nos ambientes social, empresarial e pessoal, serão dados. E em relação aos dados, já há tendências bem evidentes.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site