Clicky

Teles lançam sistema de autorregulação contra novas regras pró-consumidor

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/03/2020 ... Convergência Digital

Discutidas desde 2017 e alinhadas na forma de novo regulamento nos últimos seis meses, estão para ser aprovadas pela Anatel novas regras de proteção dos consumidores de serviços de telecomunicações. Contrárias a alterações previstas, especialmente no terreno das ofertas de planos, as operadoras fazem gestões no governo e na Anatel para adiar a aprovação. E tentam convencer que um sistema de autorregulação, a ser lançado em 11/3, pode substituí-las.

Batizado SART – para sistema de autorregulação das telecomunicações – ele será apresentado dias antes da Semana do Consumidor, que começa em 15/3 e é um amovimento de resistência contra as novas regras do Regulamento Geral de Direitos do Consumidor. Paralelamente, as operadoras se queixam até no Ministério da Economia de que a agência está abusando da intervenção no mercado. 

Recheado, com cerca de 100 artigos, o novo regulamento sugere – ele ainda vai à consulta pública – alguns pontos que as empresas adorariam ver implementados como uma possível redução significativa no número de lojas físicas, hoje obrigatórias, ou ainda a oferta de planos com descontos para clientes que concordem em dispensar completamente os call centers e ficar com atendimento 100% por meio de aplicativos. 

Mas ao lado de medidas como essas que têm grande potencial de redução de custos, o novo regulamento traz mudanças que o mercado abomina: regras específicas sobre a oferta de serviços. Além de exigir que prazos e condições sejam mais claros, a Anatel propõe acabar com um mecanismo usado rotineiramente pelo mercado, as frequentes mudanças nos planos contratados. Atualmente, as operadoras podem fazer mudanças nos planos a qualquer momento, desde que os clientes sejam avisados com 30 dias de antecedência. A proposta é que isso só seja possível no aniversário dos contratos ou por pedido expresso do cliente. 

A leitura da Anatel é que esse é um dos focos de problemas no relacionamento com os consumidores. Especialmente porque as mudanças nos planos costumam envolver aumento dos valores incialmente negociados. A vedação a mudanças antes do aniversário do contrato não impede que as teles continuem a oferecer dezenas de planos diferentes, capazes de atender aos mais distintos bolsos e padrões de consumo. Mas o fim das alterações a qualquer momento desagradam sobremaneira as operadoras. 

O novo RGC até chegou a ser pautado para a reunião do Conselho Diretor em 5/3. Mas embora as operadoras tenham oficiado à agência pedindo adiamento, o que realmente acabou tirando o tema da agenda de deliberações foi a divergência interna sobre as lojas físicas. Embora parte dos conselheiros admita que há lojas que não sejam jamais visitadas por ninguém, há quem entenda que elas devam ser mantidas obrigatórias. 


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.

Brasileiro retorna ao pré-pago e sonha com superaplicativo

O brasileiro diz que o pré-pago oferece maior flexibilidade de uso, de acordo com pesquisa global feita pela Ding. O estudo também mostra que os brasileiros querem um superaplicativo que combine mensagens instantâneas com mídia social, varejo e serviços.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G