INTERNET

Marco Civil: Internautas divergem sobre neutralidade e guarda de logs

Luis Osvaldo Grossmann ... 08/05/2012 ... Convergência Digital

Com a reabertura do sistema de sugestões ao Marco Civil da Internet – agora como parte da tramitação do projeto de lei 2126/2011 na Câmara dos Deputados – é nítido que alguns dos conceitos da proposta, especialmente neutralidade de rede e guarda de registros de conexão, ainda provocam divergências.

Ainda que haja ampla defesa de algum conceito de neutralidade de rede, há diferenças de posicionamentos na operacionalização das restrições de manipulação de redes, como visto nas contribuições ao projeto no e-democracia (edemocracia.camara.gov.br). Tanto que uma das sugestões apresentadas estabelece a figura da “administração razoável” das redes.

“O objetivo de neutralizar, anular a liberdade de provedores de conexão é, em si, inconstitucional”, sustenta o professor da universidade de Hong Kong, Marcelo Thompson, ex-procurador do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI).

Enquanto o projeto de lei diz que “o responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados”, Thompson defende uma redação alternativa. Nela, a “administração razoável de suas redes, nos termos do regulamento, não constitui prática de discriminação irrazoável pelo provedor de serviços de conexão”.

“Vejo a assim-chamada neutralidade da rede como uma tentativa de neutralizar o provedor de serviços de conexão. É uma tentativa das camadas superiores da Internet, das aplicações e do conteúdo (Google, Skype, Netflix, etc) de anular, neutralizar os agentes da camada da rede (roteadores, protocolos, provedores de conexão)”, entende o professor.

Já o advogado e pesquisador do grupo Cultura Digital e Democracia da Universidade de Brasília (UnB), Paulo Rená, rebate sustentando que a proposta em análise pela Câmara não pretende encerrar a discussão sobre neutralidade de rede.

“O Marco Civil não pretende esgotar o assunto da neutralidade de rede, mas dar exatamente o pontapé inicial para que a sociedade possa se envolver no debate, que já existe, a partir de uma abordagem pública, e não apenas privada, que é como ela existe hoje”, afirma Rená.

Para ele, o projeto de Marco Civil deveria, inclusive, aprofundar o conceito de acesso como um direito dos brasileiros. “Entendo que seria interessante garantir expressamente o acesso à Internet como um direito fundamental, em vez de usar o termo ‘essencial’ e de subordiná-lo textualmente ao exercício da cidadania.”

Guarda de logs

Outro ponto que atrai debates é a guarda dos registros de conexão pelos provedores de acesso – questão delicada e anterior ao próprio Marco Civil da Internet, em projetos que ainda tramitam no Congresso Nacional, como é o caso do substitutivo ao PL 84/99, mais conhecido como PL Azeredo.

Para o delegado da Polícia Federal Luiz Augusto Nogueira, o acesso às informações arquivadas sobre as conexões não deveria exigir prévia autorização judicial, uma vez que se tratam de dados que não revelam aspectos da intimidade dos internautas.

Por isso, ele entende que “não existe justificativa plausível para impedir a autoridade policial e o membro do ministério público de ter acesso a dados, que não são considerados sigilosos pela Constituição, de um suspeito de prática de crime quando houver um inquérito regularmente instaurado”.


Disseminação de IA e reconhecimento facial são novos riscos à Internet

Relatório sobre a saúde da rede mundial, produzido pela Fundação Mozilla, também aponta para o uso de dados pessoais para publicidade como uma das principais preocupações atuais.

Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G