Convergência Digital - Home

No Brasil, 45% das PMEs vão usar nuvem até 2015

Convergência Digital
Convergência Digital - 30/07/2012

A adoção de tecnologia no modelo de computação em nuvem deve dobrar em três anos no Brasil. Esta é uma das constatações da pesquisa intitulada “Microsoft SMB Business in the Cloud 2012” - ou Microsoft Pequenas e Médias Empresas na Nuvem, na tradução livre para o português.

Conduzido pela Edge Strategies em conjunto com a Microsoft, o levantamento prevê o crescimento da adoção de serviços pagos baseados na nuvem. No Brasil, das 250 empresas entrevistadas, 33% são usuárias de nuvem e 45% afirmaram que devem utilizar esse modelo computacional nos próximos dois ou três anos.

Mundialmente, o número de pequenas empresas que utilizam pelo menos um serviço pago na nuvem deverá triplicar no mesmo período. Para a análise, foram entrevistados tomadores de decisões do mercado de TI de mais de 3 mil empresas de pequeno e médio portes, em 13 países.

“Já passou o tempo em que as grandes corporações eram as únicas a possuir serviços de TI de última geração”, diz Victor Baez, gerente de pequenas e médias empresas e canais da Microsoft Brasil. "A computação em nuvem coloca as pequenas e médias empresas em igualdade de condições de estrutura tecnológica, ajudando-as a competir em um ambiente de negócios com rápidas mudanças", acrescenta o executivo.

A computação em nuvem é capaz de entregar mais do que as pequenas e médias empresas precisam - operações mais baratas e rápidas, além de melhor fusão de informações, vitais para praticamente qualquer dispositivo. A pesquisa indica que 62% das empresas entrevistadas que utilizam os serviços em nuvem relatam benefícios significativos de produtividade em TI.

No que diz respeito aos fatores econômicos, o Brasil está 18% mais otimista que os demais países participantes da pesquisa, uma vez que 30% das empresas nacionais consideram que a instabilidade econômica será um desafio para seu crescimento, enquanto que no mundo são 48%. Já o aumento nos custos com funcionários são mais preocupantes aqui do que para os demais países, uma vez que estamos 7 pontos acima do percentual mundial com 32% ao invés dos 25% globais.

Mais opções, menos preocupações Apesar das incertezas econômicas globais, 53% das pequenas e médias empresas do mundo e 68% das PMEs nacionais que usam serviços em nuvem esperam crescer em vendas nos próximos 12 a 18 meses, sendo que a maioria delas acredita que a tecnologia vai acelerar seu crescimento.

Segundo a pesquisa, o apetite das PMEs para a nuvem está crescendo à medida que elas adotam cada vez mais dispositivos e serviços, enquanto que suas preocupações sobre a nuvem diminuem. Aqueles que adotam a tecnologia esperam fazer mais com seus dispositivos, já que a mobilidade é essencial aos usuários. Eles querem dispositivos móveis não somente para o uso de serviços como e-mail, mais também para acessar aplicativos de produtividade e negócios.

Õutra descoberta interessante da pesquisa é que as empresas parecem menos preocupadas com as questões de segurança. De acordo com a análise, segurança é uma prioridade, mas não é a principal preocupação. Somente 23% das empresas brasileiras, enquanto 20% no mundo, acreditam que os seus dados estão menos seguros na nuvem do que se estivessem em seus computadores. Trinta e sete por cento das empresas PMEs consideram que os dados estão tão seguros na nuvem quanto nos seus sistemas instalados.


Destaques
Destaques

Brasil fica nas últimas posições em ranking mundial de uso de Big Data e Analytics

Brasil fica na posição 60º em 63º no uso das novas tecnologias da economia digital do Ranking de Competitividade Mundial 2019, produzido pela escola suiça IMD, com parceria no País, com a Fundação Dom Cabral. Em competitividade, País segue nas últimas posições.

Startup catarinense usa big data para combater desperdício de água potável

Startup catarinense, AcquaLogic, desenvolveu solução para tratar os dados de empresas de saneamento para evitar o desperdício. Em 2016, o Brasil jogou no lixo 38% da água consumível, segundo dados do Instituto Trata Água. Startup, agora, quer unir big data à Internet das Coisas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site