GOVERNO » Compras Governamentais

TCU divulga os principais compradores e vendedores de TI no governo

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/11/2012 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União começou a preparar um sistema de dados consolidados sobre gastos de tecnologia da informação na administração federal. Os primeiros resultados mostram quem são os principais beneficiários dos gastos em TI e quais as áreas mais atendidas.

Chamado de Observatório Sefti – por ser elaborado pela Secretaria de Fiscalização de Tecnologia da Informação – o sistema traz informações consolidadas a partir de bases do governo e, por enquanto, é de acesso exclusivo dos auditores do TCU, mas a ideia é que essa seja uma ferramenta de uso público.

“O Observatório, que começou a ser construído em setembro, permite a identificação online dos números da TI no governo federal, a evolução deles e os indicadores de governança. Estamos agora avaliando os impactos das políticas públicas e a comparação internacional”, explica o auditor Wesley Vaz.

Alguns números, apresentados nesta segunda-feira, 5/11, no seminário Tecnologia da Informação: Controle Externo em Ação, já mostram quem são os campeões da TI no governo. Sem grandes surpresas, Serpro e Dataprev lideram com folga nas contratações de bens e serviços, mas a Positivo segue logo atrás.

O Serpro, por exemplo, ganhou cerca de R$ 5 bilhões entre 2007 e junho de 2012, enquanto a Dataprev recebeu aproximadamente R$ 2 bilhões. A partir daí, aparecem os fornecedores privados – tanto de serviços como equipamentos – na relação do TCU, que listou os 10 maiores vendedores ao governo.

O maior deles é a Positivo Informática, que naquele mesmo período, de janeiro de 2007 a junho de 2012, recebeu aproximadamente R$ 1 bilhão. A lista dos 10 mais do Observatório Sefti continua com Embratel, CTIS, Procomp, HP, Itautec, Oi e IBM, nessa ordem.

O TCU apresentou, ainda, a lista do que foi adquirido – sempre no intervalo 2007-2012. A maior rubrica é de serviços técnicos profissionais, com cerca de R$ 10 bilhões no período. A compra de equipamentos vem em seguida, com aproximadamente R$ 7,5 bilhões.

Em ordem decrescente de valores, a lista sobre o que foi comprado continua com serviço de apoio administrativo, técnico e operacional; comunicação de dados; manutenção de equipamentos; material; manutenção de software; locação de software; aquisição de software.

De longe, o setor de administração é o principal comprador. “O que é natural, visto que TI é área meio. Mas o Observatório mostra que em seguida aparecem atividades fim, como Educação, Judiciário e Saúde”, explica o auditor do TCU, Wesley Vaz. Previdência social, Defesa e Agricultura completam a relação apresentada.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Telebras aumenta capital em R$ 1,59 bilhão e cobra calote da FIFA

Acionistas aprovaram a medida - uma reação à privatização pretendida pelo Governo Bolsonaro - e o capital da estatal passará a ser de R$ 3,1 bilhões. Estatal também foi à Justiça para cobrar R$ 9,2 milhões da FIFA por serviços prestados na Copa do Mundo de 2014.

Com novo marco das teles, governo prepara leis para Fust, antenas e datacenters

MCTIC resgata agendas antigas e aponta para regra nacional que dispense antenas de 5G do licenciamento municipal, enquadrando-as como mini-ERBs. 

Autoridade de Dados vai ser a fiscal do compartilhamento de dados do Governo

As regras para o compartilhamento de dados foram estabelecidas no decreto 10.046, mas tudo terá o crivo da ANPD, diz Ciro Avelino, do Governo Digital.

Comitê de dados vai expedir orientações em 90 dias

“Dados interoperáveis, estruturados e automatizados convergem com a LAI e a LGPD. A ideia é que os órgãos conversem para não fazer do cidadão um agente cartorário”, diz o secretário adjunto de governo digital, Ciro Avelino.

Telebras faz Assembleia Geral para aprovar capitalização de R$ 1,512 bilhão

Assembleia geral para tratar do aumento de capital foi agendada para 31 de outubro. Proposta da estatal - que integra lista de privatizações do governo Bolsonoro - dá prioridade à União, como principal acionista da empresa.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G