GOVERNO

Brasil falha no uso de software e serviços de TI

Ana Paula Lobo ... 28/11/2012 ... Convergência Digital

Relatório da Economia da Informação, divulgado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), aponta que a América Latina está bem defasada na área de desenvolvimento de software e serviços de TI. Enquanto nos Estados Unidos, o gasto na área compreende 43% dos investimentos em TIC, na região, a média fica em apenas 11%. No Brasil, esse índice fica em 12%, abaixo da Venezuela e da Bolívia, que respectivamente gastam 14%.

Os dados do relatório da Economia da Informação, da UNCTAD, foram divulgados nesta quarta-feira, 28/11, pelo Comitê Gestor da Internet, na capital paulista. O levantamento destaca que a produção e o desenvolvimento de software contribuem para a transformação estrutural das economias. E faz um alerta: os países emergentes, entre eles, o Brasil, estão deixando essa oportunidade passar.

O Brasil, pondera Carlos Afonso, do Comitê Gestor da Internet, apesar das ações recentes em prol do software - como plano TI Maior, recém-divulgado pelo Governo Dilma, está bastante atrasado no fomento ao desenvolvimento de software. "As nossas políticas são equivocadas. Não estamos conseguindo formar mão de obra qualificada. Não conseguimos vender para o exterior, tampouco atendemos a nossa forte demanda interna", lamenta.

E exemplifica. "Há muitos municípios gritando por informatização, mas não há uma política clara para facilitar o acesso aos serviços de TI. O software público é uma alternativa, mas exige a adequação aos legados. O custo cobrado fica fora da realidade porque não há prestador de serviço qualificado".

Globalmente, o relatório da UNCTAD estima que os gastos com software e serviços de informática somaram US$ 1,2 trilhão em 2011. Sendo que 80% desse total foram provenientes dos países industrializados. O estudo ressalta um ponto crucial: sem a participação direta do Governo na indução de políticas públicas para o software não haverá a inovação.

Isso porque, sustenta a entidade, o governo é o grande comprador de software e há, ainda, falta de ações transparentes na parte de compras públicas na área. o governo eletrônico - é um ponto-chave dessa estratégia. E aqui, mais uma vez, há questões relevantes. De acordo com o TIC Empresas 2011, apenas 49% das empresas usam a Internet para interagir com os órgãos governamentais.

"Temos ações específicas de comunicação com o governo como o Imposto de Renda, da Receita, e outras atividades de interação com o governo federal. Mas as ações ainda são tímidas e é possível crescer muito mais. Há uma demanda de oportunidades para desenvolvedores. Se o mercado interno é bem atendido é possível pensar em exportar a solução", pondera Alexandre Barbosa, gerente do CETIC.br.

E na parte de exportação de software e serviços, a América Latina - Brasil inclusive - teve um desempenho pífio e ficou fora do 'top ten' dos exportadores, sendo superada por países como Índia, China, Filipinas e Cingapura. Os dados da UNCTAD revelam que o Brasil, em 2009, exportou US$ 1,6 bilhão, ficando atrás, por exemplo, da Polônia, que contabilizou US$ 1,66 bilhão.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Pontes: Corte de 42% no orçamento deixa MCTIC 'com a corda no pescoço’

“Ao longo dos anos o ministério veio perdendo prestigio e o orçamento veio caindo. Precisamos de muito apoio para melhorar o orçamento para o ano que vem, porque  o deste ano já está feito”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

Receita Federal decide cobrar IPI das impressoras 3D

Para o Fisco, a atividade de impressão em 3D caracteriza-se como uma operação de industrialização na modalidade de transformação.

"Espero que dinheiro da base de Alcântara não vire outro FUST", diz Marcos Pontes

Segundo explicou no Senado Federal, o acordo é uma autorização dos Estados Unidos para lançamentos de foguetes na base brasileira. Mas não há ainda definição de quem vai ficar com os recursos da operação comercial da base.

Félix Mendonça Junior (PDT-BA) é o novo presidente da CCT da Câmara

Parlamentar que dar atenção especial  para a discussão da chegada do 5G no Brasil e também nas novas tecnologias, entre elas, o reconhecimento facial.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G