Home - Convergência Digital

4G: Teles querem que antenas sejam liberadas na metade do prazo

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann e Luiz Queiroz - 26/02/2013

Se ainda há divergências a serem superadas para garantir a cobertura de telecomunicações dentro dos estádios da Copa das Confederações – e, em certa medida, também da Copa do Mundo, mas nesse caso há mais tempo – tampouco há tranquilidade no lado de fora das arenas. As teles pediram nesta terça-feira, 26/2, que as licenças para novas antenas sejam expedidas muito mais rapidamente.

“Há necessidade de acelerar o processo de licenciamento das antenas de 4G. As empresas dizem que é preciso reduzir à metade o prazo médio de aprovação de licenças para dar conta da preparação para a Copa”, afirmou o secretario executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.

As empresas calculam que será preciso instalar 9.566 novas antenas para atender a demanda das 12 cidades-sede da Copa do Mundo – sendo que seis dessas cidades devem estar prontas para a Copa das Confederações, em junho deste ano. Significa garantir 9,5 mil licenças para a instalação dos equipamentos.

“Em 2011 conseguimos instalar 9 antenas por dia. Em 2012, o ritmo acelerou para 16 antenas por dia, mas ainda precisamos mais agilidade para dar conta do que será preciso instalar”, diz o diretor executivo do sindicato nacional das teles – Sinditelebrasil – Eduardo Levy. Nas contas do sindicato, o ritmo precisa dobrar, para 30 ERBs por dia.

As teles têm compromissos para garantir cobertura nas redondezas dos estádios onde serão disputados os jogos – sem falar nas obrigações assumidas no leilão da faixa de 2,5 GHz, que implicam em garantir cobertura em pelo menos 50% dos municípios onde haverá jogos. Parte disso, aqueles onde haverá Copa das Confederações, tem que estar pronto até abril deste ano. As outras seis cidades – que completam as 12 da Copa do Mundo de 2014 – devem estar prontas até dezembro.

“É evidente que tem que acelerar, e que o compromisso dos prefeitos de tramitar em 60 dias vai ter que ser cumprido”, afirma Cezar Alvarez. Esse compromisso, no entanto, foi assumido há mais de um ano, junto ao comitê organizador da Copa do Mundo. Talvez por isso, as empresas ainda confiem em uma aprovação rápida da chamada Lei Geral das Antenas – proposta que estabelece um rito sumário para a expedição das licenças em todo o país.

Segundo Alvarez, já existe um acordo na Câmara dos Deputados para que a tramitação seja rápida, a exemplo do que se viu no ano passado, quando o projeto foi aprovado no Senado Federal. “Há um acordo de lideranças na Câmara para dar tratamento conjunto nas comissões da Câmara”, diz o secretario executivo do Minicom.  Assista as posições defendidas pelo secretário-executivo do Minicom, na CDTV, do Portal Convergência Digital.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/09/2019
5G chegará a 75 milhões de conexões na América Latina até 2023

17/09/2019
Campo conectado exige a instalação de muita antena

13/09/2019
Claro vai fornecer WiFi nativo em todos os carros da GM na América Latina

10/09/2019
TIM dá mais franquia de dados para atrair clientes para o pré-pago

09/09/2019
Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

05/09/2019
Quatorze milhões de novos celulares 4G foram ativados desde janeiro

02/09/2019
Vivo investe em redes 4G privativas para o mercado B2B

30/08/2019
Cobertura 4G rural: Vivo, Claro e TIM avançam. Oi, sem 700MHz, fica para trás

23/08/2019
América Latina tem menos de 20% de espectro disponível para novos serviços móveis

16/08/2019
Levantamento elege a rede da Vivo a melhor do Brasil

Destaques
Destaques

Na América Latina, 33% da população ainda não têm acesso ao celular

Estudo global da GSMA mostrou ainda que, em 2018, 31 milhões de empregos, entre diretos e indiretos, foram criados pela economia móvel, que gerou US$ 3,9 trilhões, ou R$ 15,8 trilhões. O 4G se tornou o padrão da telefonia móvel.

Smartphones receberam seis tentativas de ataques por minuto na América Latina

O Brasil é o país que lidera esse tipo de ataque, especialmente por meio do adware.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site