INTERNET

Banda larga: Proteste questiona Anatel sobre velocidade da Internet

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/06/2013 ... Convergência Digital

Com a desistência da Anatel de limitar a redução de velocidades de conexões em planos com franquias de dados, a Proteste – Associação de Consumidores quer que sejam adotados os parâmetros previstos no Regulamento de Gestão da Qualidade, mesmo após o consumo dos bytes previstos nos pacotes com teto de utilização. 

A entidade enviou um ofício à Anatel questionando a interpretação da norma sobre o Serviço de Comunicação Multimídia. Como destacou o relator da proposta, conselheiro Marcelo Bechara, sem a definição de um limite no corte, operadoras e clientes devem negociar os termos de serviço após o consumo da franquia. 

“O regulamento não tratou de limites, mas buscou garantir a continuidade do serviço. Depois da franquia, o usuário pode pagar para ter a mesma velocidade ou aceitar que ela seja reduzida conforme livre negociação. Não fosse assim, ganharia o ‘heavy user’”, defendeu Bechara, referindo-se a conceito utilizado pelas empresas para os clientes que usam muito a Internet. 

O objetivo da Proteste, conforme explica a advogada Flávia Lefèvre, é que seja adotado o mesmo critério previsto no regulamento de qualidade, onde foi definido que as conexões à Internet não podem nunca apresentarem velocidades 20% inferiores ao contratado – e, na média, não inferiores a 60%. 

A lógica seria a interpretação da própria Anatel quando da adoção daquele Regulamento de Gestão da Qualidade. Em resposta à mesma Proteste, em março do ano passado, a então Superintendência de Serviços Privados da agência sustentou que os parâmetros do RGQ valiam para todos os planos. 

“A partir do momento em que o cumprimento das metas e obrigações do RGQ-SCM e RGQ-SMP for exigível, todas as prestadoras que possuírem uma quantidade igual ou superior a cinquenta mil acessos em serviço deverão atende-las integralmente”, firmou na época o superintendente Bruno Ramos. 

“Todos os planos existentes destas prestadoras, independentemente de sua formatação e oferta, devem estar aderentes às obrigações constantes dos regulamentos”, completou o superintendente no Ofício 24/2012 da SPV, datado de 7 de março de 2012. 

A advogada da Proteste entende, portanto, que mesmo após o consumo das franquias de dados, os planos deverão respeitar aqueles parâmetros – em média, não cair a menos de 60% do contratado. “Senão será um entendimento restritivo da norma”, avalia Flávia Lefèvre. “Também não cabe dizer que haverá uma negociação entre cliente e operadora, pois um dos pressupostos do Código de Defesa do Consumidor é de que o consumidor é a parte vulnerável nessa relação”, completou. 


Comissão Européia: Facebook, Google e Twitter fizeram pouco contra Fake News

Redes sociais prometeram em outubro do ano passado adotar medidas contra a divulgação de notícias falsas relativas às eleições do Parlamento Europeu, que acontecem entre 23 e 26 de maio.

Moradora chama prefeito de "mentiroso" pelo Whatsapp e é multada em R$ 5 mil

TJMG aceitou a queixa do prefeito da cidade de Frei Inocêncio e determinou indenização contra moradora que distribuiu áudio no aplicativo chamando-o de “mentiroso”, “trapaceiro” e “cretino”.

Autoridade de Dados, no Executivo, não terá reconhecimento internacional

“Congresso precisa garantir um modelo interoperável com outros países, que sejamos considerados como país adequado na proteção de dados”, adverte a professora de Direito da UnB e do IDP, Laura Schertel Mendes.

Bibliotecas e museus sofrem para digitalizar e oferecer acervos online

Embora o Plano Nacional de Cultura estabeleça que acervos devem estar disponíveis na internet até 2020, só 31% digitalizam parte do acervo e 22% ofertam na rede.

Para o governo, regulamentação da LGPD exige criação imediata da autoridade de dados

Inserir a autoridade na Presidência foi a solução possível."Queremos a autoridade funcionando um ano antes da vigência da lei. Não dá para discutir eternamente”, diz Luiz Felipe Monteiro.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G