TELECOM

Lei dos EUA obriga que equipamentos de rede, também usados no Brasil, tenham ‘backdoor’

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/07/2013 ... Convergência Digital

Ao indicar que a Anatel vai investigar como as empresas de telecomunicações que operam no Brasil colaboram com a espionagem telefônica e da Internet pelos Estados Unidos, o governo brasileiro sugere desconhecer alguns pontos sobre o funcionamento das redes: o surpreendente nisso é que esse tipo de acesso às comunicações foi um dos principais motivos para a elaboração do Plano Nacional de Banda Larga. 

Já os primeiros rascunhos do que mais tarde seria chamado de PNBL, havia uma preocupação clara com a segurança das comunicações de governo – tanto que parte do Decreto que criou o programa e reestruturou a Telebras tem esse ponto como uma de suas bases. Na época, o país já acumulava exemplos de problemas, como sustentava o idealizador da rede, Rogério Santanna, ainda como secretario de Logística e TI do governo. 

“Na época da Brasil Telecom, e-mails de ministros foram interceptados pela operadora interessada na questão. No governo Fernando Henrique, na contratação do Sivam-Sipam, comunicações dos militares foram interceptadas por fornecedores interessados e acabaram interferindo em um acordo que ia ser feito com a França. Não é possível que a gente não tenha uma estrutura. É uma questão de segurança de Estado”, defendia ele. 

Era comum que nessa época recaíssem críticas aos equipamentos chineses, mas é importante lembrar que os Estados Unidos obrigam a implantação de ‘backdoors’ nos elementos de rede a serem utilizados lá. Coincidentemente, esse exato ponto foi lembrado em março pelo diretor de infraestrutura da Telebras, Paulo Kapp, no Forum TIC Brasil, evento promovido pelo Convergência Digital e pela Network Eventos.

“Existe uma lei americana, CALEA, que obriga que todos os equipamentos de comutação, roteadores que passam VoIP, centrais de voz, que estão nos Estados Unidos, sejam capazes de passar os dados a agências americanas. Ou seja, um switch de grande porte, ao controle de uma agência deles, deve ser capaz de ouvir uma conversa telefônica, ou uma chamada de vídeo, sem que a operadora saiba e sem que a pessoa que esteja falando saiba”. 

CALEA é o acrônimo de Communications Assistance for Law Enforcement Act, a lei que prevê que os equipamentos de rede facilitem os ‘grampos’. Os fornecedores são os mesmos grupos que vendem os mesmos equipamentos no Brasil. “Se alguma agência americana resolver, com equipamento vendido no Brasil que seja CALEA compliance, ele pode entrar e fazer o que quiser, sem problemas”, emenda Kapp, lembrando que os fabricantes globais não fazem um tipo de aparelho para cada país. 

Na esteira das declarações do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, de que a Anatel vai investigar a espionagem nas telecomunicações, a própria agência divulgou, nesta segunda-feira, 8/7, uma nota explicando seu papel: 

 “1) A Anatel instaurou procedimento de fiscalização com o objetivo de apurar se empresas de telecomunicações sediadas no Brasil violaram, de alguma forma, o sigilo de dados e de comunicações telefônicas;

2) A Agência trabalhará em cooperação com a Polícia Federal e demais órgãos do governo federal nas investigações referentes ao assunto, no âmbito de suas atribuições.”

A Anatel registra, ainda, “que o sigilo de dados e de comunicações telefônicas é um direito assegurado na Constituição, na legislação e na regulamentação da Anatel, sendo que a sua violação é passível de punição nas esferas cível, criminal e administrativa”.  

O trabalho da agência pode ser enormemente facilitado pelos registros da prória reguladora. Todos os equipamentos vendidos no Brasil, do celular ao roteador, precisam passar por homologação da Anatel ou de órgãos por ela acreditados. Por aí, o governo pode ter uma razoável indicação de quantos elementos de rede são aderentes às exigências do governo americano. 


Internet Móvel 3G 4G
Anatel autoriza Neoenergia a criar primeira rede privada LTE no Brasil

Projeto de R$ 10 milhões com a Nokia usa faixa de 3,5 GHz em rede elétrica inteligente no interior de São Paulo. Iniciativa vai permitir a a comunicação de todos os dispositivos da rede inteligente em Atibaia, Bom Jesus dos Perdões e Nazaré Paulista, abrangendo um total de 75 mil clientes da Elektro.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Globo e Netflix se unem contra streaming na Lei da TV Paga

Debate realizado na Câmara federal mostra que há muitas divergências sobre a questão entre os atores do ecossistema sobre a Internet ser ou não enquadrada na Lei do SeAC.

Teles lançam site Fique Antenado! para incentivar instalação de antenas

Página, produzida pelo SindiTelebrasil, tem o intuito de incentivar a instalação de mais infraestrutura de telecom. MCTIC e Anatel apoiaram a iniciativa. Frente Nacional de Prefeitos se dispôs a sentar à mesa e tirar as dúvidas das gestões municipais.

Telefónica Brasil vende 1.909 torres para Telxius por R$ 641 milhões

Empresa anunciou a venda depois do posicionamento oficial da companhia de abrir mão das operações na América Latina para centrar as atenções no mercado brasileiro.

PGR defende acesso a dados armazenados em celular sem ordem específica

Em parecer encaminhado ao Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria Geral da República alega que deve ser adotado o mesmo entendimento de quando são apreendidos computadores ou DVDs.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G