GOVERNO

Espionagem faz Dilma querer incluir armazenamento de dados no Marco Civil

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/07/2013 ... Convergência Digital

A exemplo de europeus e asiáticos, o governo brasileiro – que parece ter descoberto só agora que existe uma certa crise diplomática internacional por conta da espionagem irrestrita dos Estados Unidos – não tem como ir muito além dos muxoxos. O governo fala em governança internacional da Internet e lei que obrigue armazenamento da dados no Brasil – nenhuma efetivamente capaz de alterar a facilidade com a qual os EUA coletam comunicações em qualquer país. 

A presidenta Dilma Rousseff tratou o episódio como “violação de soberania e de direitos humanos”, falou em levar a questão à Comissão de Direitos Humanos da ONU e arriscou incluir no Marco Civil da Internet – agora ressuscitado – uma obrigação sobre o armazenamento de dados em território brasileiro. 

“Vamos dar uma revisada no Marco Civil da Internet porque uma das questões que devemos observar é onde se armazenam os dados. Porque muitas vezes os dados são armazenado fora do Brasil, principalmente os do Google. Queremos obrigatoriedade de armazenamentos de dados de brasileiros no Brasil. E fazer revisão para ver o que pode garantir melhor a privacidade”, disse a presidente, segundo a Agência Brasil. 

Como já existem servidores que armazenam dados no Brasil, mas que também são replicados nos EUA, não parece provável que isso, em si, elimine a espionagem – embora possa fortalecer o país em um setor como o de computação em nuvem, esse sim um campo no qual as empresas norte-americanas podem sofrer um revés pela crise de confiança. 

A presidenta também mencionou que o governo brasileiro deve procurar a União Internacional de Telecomunicações (UIT), para pedir o “aperfeiçoamento de regras multilaterais sobre segurança das telecomunicações”. Talvez seja mais útil procurar os fabricantes de equipamentos de redes e verificar o tipo de acesso pré-embutido neles, como prevê a lei americana que exige facilidades para ‘grampos’ nesses aparelhos. 

O embaixador americano Thomas Shannon procurou nesta segunda-feira, 8/7, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, para negar que tenha havido espionagem em território brasileiro. O próprio ministro indicou que se não for verificada participação de empresas brasileiras, não há o que ser feito legalmente. 

“O embaixador garantiu que as coletas de informações são feitas nos Estados Unidos e que somente são guardados os metadados, como a pessoa que ligou e quem fez a ligação, onde se encontram e até o tempo e os números dos telefones, sem a gravação do teor das conversas”, revelou o ministro. Shannon teria ainda insistido que as reportagens sobre o tema são “fantasiosas”. 

Governança

No campo diplomático, há interesse na retomada da defesa de uma governança internacional da Internet. Na visão do governo brasileiro, a rede mundial é “controlada” pelos Estados Unidos e por isso é necessário mudanças. “No plano internacional vamos insistir no debate sobre a governança da Internet”, afirmou o ministro das Comunicações. 

Paulo Bernardo sustenta, porém, que não se trata mais de defender que tal competência seja exercida pela UIT – como o tema foi tratado na reunião global da entidade no fim do ano passado. “Não precisa ser a UIT, mas poderia transformar a ICANN, que deveria ter um comitê representativo de vários países”, defendeu. 

A dificuldade é uma certa confusão com o papel da ICANN, que pode ser melhor definida como a “lista telefônica” da Internet. Ela já possui um conselho internacional com 20 membros de diferentes países. O argumento, no caso, é mais baseado em a sede da ICANN ser na Califórnia – e se sujeitar às regras daquele estado americano, além de uma ligação com o Departamento do Comércio dos EUA.

No mais, há regras nacionais sobre comportamentos na rede em diferentes países, como os que determinam a garantia de neutralidade de rede, outros, como os próprios EUA, que preferem a menor quantidade de regras possíveis para a Internet – mas não chega a existir um “controle” que facilitaria o uso da rede para a espionagem. 

O que existe é uma “dominação”, para ficar no tom usado pelo governo brasileiro, mas ela é econômica – são americanas as principais empresas da Internet; é dos Estados Unidos o maior tráfego da Internet e até por isso onde estão as operadoras Tier 1, o que concentra o roteamento naquele país. Isso facilita a espionagem americana. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Entidades de TI se mobilizam contra aumento de imposto para serviços

Proposta da Reforma Tributária, em discussão no governo, poderá causar um incremento de 11 pontos percentuais na tributação dos serviços, reclamam a Fenainfo e a Feninfra.

Congresso debate impacto das TICs no futuro do Brasil

Câmara e Senado vão promover um fórum para discutir temas como inteligência artificial, propriedades de dados pessoas, cidades inteligentes e internet das coisas. "Os dados pessoais serão o ativo mais importante de um País", afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Privatização da Telebras e perda da soberania antagoniza deputados e Governo

Enquanto representantes do governo Bolsonaro afirmam que 'é cedo' para discutir o impacto real da possível venda da estatal, parlamentares da CCTI da Câmara, entre eles, o deputado Luis Miranda, do DEM/DF, criticam a decisão por interferir em dados sensíveis ao Estado.

Zona Franca reivindica prazo máximo de 180 dias para a concessão de PPB

O prazo de concessão do benefício fiscal tem sido, em média, de dois anos, conforme dados apurados junto à Suframa. Situação da Zona Franca ganha contornos estratégicos com o prazo apertado para fazer a revisão obrigatória da Lei de Informática.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G