GOVERNO

"Prioridade" ao Marco Civil da Internet não passou de blefe

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/07/2013 ... Convergência Digital

O Marco Civil da Internet continua ganhando mofo na mesma gaveta em que foi colocado em novembro do ano passado, quando fracassou a sexta tentativa de votá-lo na Câmara. Como se viu no parlamento nesta terça-feira, 9/7, as afirmações de que ele entraria na lista de prioridades – a começar pela própria presidenta Dilma Rousseff – não alteraram em nada a disposição dos deputados. 

O assunto foi tratado nesta terça, mas os parlamentares continuam onde estavam há oito meses. “Tratamos desse assunto, mas não há consenso. O PMDB e o PSDB querem alterações e eu pedi ao relator que converse com as lideranças para encontrar um texto que seja possível votar”, afirmou o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves, logo após a reunião de líderes. 

Coloque-se Marco Maia no lugar de Henrique Alves e a explicação caberia sem alterações nos desacertos que inviabilizaram a aprovação do projeto nas seis tentativas feitas em 2012. A parte não dita abertamente também continua a mesma: o projeto de lei ainda encontra resistências mesmo na base e no próprio governo. 

Resistências que foram lembradas mais cedo, quando Dilma e o vice-presidente Michel Temer receberam no Planalto os presidentes do Senado e da Câmara. No encontro, apesar da aparente defesa da aprovação do Marco Civil, foi admitido aos parlamentares que o próprio Ministério das Comunicações tem ressalvas. Paulo Bernardo reconheceu, na véspera, ainda defender mudanças no projeto. 

Apesar do apelo do presidente da Câmara, o relator da proposta, Alessandro Molon (PT-RJ), argumentou que não há como fazer a mudança pretendida no texto do projeto. “Sugeri que modifiquemos não o conteúdo, mas o procedimento. Colocamos em pauta, quem quiser apresente suas emendas, e a decisão será no voto”, disse. 

Nesse jogo, portanto, todas as peças continuam nos mesmos lugares. A solução de ir para a decisão no voto dificilmente será adotada – até porque, Alves teria o desconforto adicional de pautar um projeto que sofre a maior oposição do líder de seu próprio PMDB. Durante a reunião desta terça, Eduardo Cunha (RJ), que já pleiteava alterações no Marco Civil desde o ano passado, reiterou essa posição. 

Todo o conflito é concentrado no artigo 9o do PL 2126/2011, que crava em lei a obrigatoriedade das donas da infraestrutura – as operadoras de telecom – de respeitarem a neutralidade de rede. Para o relator, o projeto precisa deixar claro que todos os pacotes são iguais perante a rede, daí ser contrário aos ‘ajustes’ que ‘viabilizariam’ a votação. Minicom e teles querem uma redação mais flexível.

Embora seja um princípio óbvio da Internet desde o primórdio da rede, nos últimos anos esse conceito vem sendo “flexibilizado” para permitir vantagens econômicas. Ao considerarem que existe uma competição com provedores de conteúdo – empresas como Google ou Netflix, que se valem das redes de telecom para vender serviços – as teles querem melhor “monetizar” as redes. 

Ao “flexibilizar” a neutralidade de rede, entendem as operadoras que poderiam vender acesso com base no consumo, compartimentando diferentes classes de internautas – os que leem e-mails, os que querem além disso acessar o Facebook, ou ainda aqueles que também querem assistir filmes ou compartilhar músicas. 


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Resolução abre estudos para privatização de Serpro e Dataprev

Quase um mês depois da decisão anunciada, Conselho do Programa de Parceria de Investimentos determina a análise, que deve ficar com o BNDES, “de alternativas de desestatização ou parceria com a iniciativa privada”.

Entidades de TI se mobilizam contra aumento de imposto para serviços

Proposta da Reforma Tributária, em discussão no governo, poderá causar um incremento de 11 pontos percentuais na tributação dos serviços, reclamam a Fenainfo e a Feninfra.

Congresso debate impacto das TICs no futuro do Brasil

Câmara e Senado vão promover um fórum para discutir temas como inteligência artificial, propriedades de dados pessoas, cidades inteligentes e internet das coisas. "Os dados pessoais serão o ativo mais importante de um País", afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Privatização da Telebras e perda da soberania antagoniza deputados e Governo

Enquanto representantes do governo Bolsonaro afirmam que 'é cedo' para discutir o impacto real da possível venda da estatal, parlamentares da CCTI da Câmara, entre eles, o deputado Luis Miranda, do DEM/DF, criticam a decisão por interferir em dados sensíveis ao Estado.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G