INTERNET

Sob pressão, EUA aceitam abrir mão do controle da Internet

Ana Paula Lobo* ... 15/03/2014 ... Convergência Digital

Foi uma decisão para entrar na história da Internet na semana em que se comemorou os 25 anos da Rede. O governo dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira,14/03, que está disposto a abandonar seu papel central na atribuição dos nomes dos domínios na Internet em favor de um modelo de gestão global. Isso significar dar um padrão global para a ICANN, entidade responsável pela validação mundial dos nomes dos domínios.

Em comunicado, o departamento de Comércio dos Estados Unidos indicou que convocará "as partes envolvidas em todo o mundo para refletir sobre os caminhos" que permitirão ao governo dos Estados Unidos a deixar de lado o papel dominante no Icann, regulador mundial da Internet encarregado de validar os nomes dos domínios. Criada em 1998, a Icann é sediada na Califórnia e depende, em última instância, do departamento de comércio dos Estados Unidos.

A decisão não veio à toa. Desde as denúncias de Edward Snowden, ex-agente da NSA, a agência de segurança dos Estados Unidos, a pressãso sob o modo de atuar do país só fez crescer. A comprovação que os presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, e a chanceler da Alemanha, Angela Merckel, foram espionadas, ampliou o mal-estar entre os países. A pressão triplicou e foi parar na ONU, que acabou acatando mudanças na gestão da Rede Mundial. Mais que isso: os países decidiram realizar, no Brasil, o NetMundial.br - Reunião Multissetorial Global sobre o Futuro da Governança da Internet, que será realizada em São Paulo, nos dias 23 e 24 de abril.

E a mobilização foi crescente. Tanto que diversos países e entidades já deixaram suas posições sobre um modelo de governança para a Internet. O Brasil, por exemplo, defendeu a mudança da sede da ICANN para Genebra, para respaldar uma entidade mais técnica. “Esse é um ponto em que estamos alinhados com a Europa e diversas entidades da sociedade civil. Chamamos de ‘globalização’ da ICANN, e não internacionalização, porque queremos deixar claro que a defesa é pelo sistema multissetorial, e não um controle pelas ‘nações’”, explicou o ministro Paulo Bernardo, em entrevista esta semana, em Brasília.

Após o anúncio a ICANN, por comunicado, expresou que o anúncio do governo norte-americano foi "histórico" e que "está pronta para transferir a tutela das funções técnicas importantes da Internet para a comunidade global de Internet". "Estamos convidando governos, setor privado, sociedade civil e outras organizações de Internet do mundo todo para se juntarem a nós no desenvolvimento do processo de transição", declarou o presidente e CEO da ICANN, Fadi Chehadé.

O atual contrato da ICANN com a NTIA - Departamento Nacional de Administração de Telecomunicações e Informação (NTIA) - para operar os nomes de domínio termina em setembro de 2015. E essa transição será acompanhada de perto pelos EUA e, certamente, muito debatida no evento do Brasil. E há uma posição já firmada: o controle não passará para 'outro' governo. "É um processo global. Se não for assim, não há razão para mudanças", sustentou o secretário adjunto de Comércio para as Comunicações e Informação, Lawrence E. Strickling.

*Com agências de Notícias


Dona das Casas Bahia e Ponto frio lança banco digital no Brasil

Grupo Via Varejo anunciou parceria com startup norte-americana Airfox, com foco em clientes de baixa renda e uso das 800 lojas físicas como pontos de atendimento no país.

Acessos acima de 34Mbps já são 30,6% da banda larga fixa no Brasil

Planos com maiores velocidades são os que mais cresceram nos quatro primeiros meses de 2019, embora 13,6% das conexões ainda sejam abaixo de 2 Mbps. Provedores Internet seguem sendo os impulsionadores do desempenho da banda larga fixa.

Serpro: O não consentimento será a exceção com dados pessoais

Diretor-Presidente do Serpro, Caio Paes de Andrade, lembra que, com o LGPD, um órgão público ou privado - poderá, sem consentimento, processar dados em situações como o cumprimento de um  contrato.

Mais de 22 mil conteúdos ilegais da Internet foram removidos no Brasil no 1º tri

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) informa que esse montante é 9% maior do que o retirado no primeiro trimestre de 2018.

Peru, Colômbia, Equador e Bolívia se unem contra ICANN e Amazon

Presidentes dos quatro países contestam decisão favorável da ICANN à companhia norte-americana pelo domínio da Internet e acusam a entidade de conduzir uma governança inadequada da Internet.

Revista Abranet 27 . abril/junho 2019
Veja a Revista Abranet nº 27 A Convenção Abranet 2019 debateu economia, política e gestão. Cerca de cem empresas de internet e de tecnologia puderam ter uma visão mais clara sobre o que esperar no curto prazo. E muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G