TELECOM

Telefónica renuncia à Telecom Italia para ficar com a GVT

Da redação ... 23/03/2015 ... Convergência Digital

Para concretizar a aquisição da GVT, a Telefónica renunciou formalmente aos direitos associados à sua participação na Telecom Italia, com o objetivo de cumprir as determinações da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A Anatel já autorizou a compra, mas impôs condicionantes, como a saída da operadora espanhola do controle da dona da TIM Brasil. O CADE julga o processo nesta quarta-feira, 25.

"Segundo o determinado pela Anatel, a Telefónica se compromete publicamente diante de seus próprios acionistas e o mercado em geral, a cumprir com a renúncia de seus direitos políticos mencionada anteriormente em relação à Telecom Italia", disse o grupo em comunicado, divulgado nesta sexta-feira, 20/03.

A Telefónica tem uma participação de cerca de 14,8% na Telecom Italia, e prevê usar parte dessas ações para pagar a compra da operadora de banda larga GVT, depois que as relações entre as partes se deterioraram em meio à competição pela consolidação do setor de telecomunicações no Brasil. A rivalidade surgiu uma vez que a Telecom Italia controla no Brasil a TIM Participações e a Intelig.

Além de exigir da Telefónica a renúncia a seus direitos na Telecom Italia, a Anatel estabeleceu uma série de condições à Vivendi para aprovar a venda da GVT à companhia espanhola. A Telefónica entrou em contato com nove bancos para gerir um aumento de capital de 3 bilhões de euros (3,2 bilhões de dólares) em relação à sua aquisição no Brasil, segundo disse na quinta-feira uma fonte familizarizada com o procedimento.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Abranet: Revisão do marco de telecom tem que abrir espaço para voz no SCM

Entidade diz que a revisão do marco legal de telecom exige uma avaliação do mercado de telefonia no Brasil, com ajustes regulatórios capazes de abrir o segmento aos prestadores de SCM, com recursos de numeração e sistemas de áreas de tarifação nos moldes da telefonia celular.

O B2B será a 'aplicação matadora' do começo do 5G

Operadoras assumem os testes e o desenvolvimento de aplicações direcionadas ao mercado coroporativo, mesmo com a visão da ampliação de velocidade da banda larga associada à nova tecnologia móvel. Fibra ótica ganha lugar estratégico na disputa por um lugar no segmento.

Anatel vai licitar posições de satélite, mas muda termos para atender Claro e Hispamar

Proposta de leilão de 15 posições orbitais entrará em consulta pública por 20 dias. Mas como aumentou o prazo das atuais licenças dessas empresas, foi preciso alterar o edital. 

Orquestração de rede 5G é prioridade da Ciena

Fabricante descarta uma produção local no curto prazo, mas se surgirem oportunidades, a avaliação será feita, conta o gerente geral da Ciena no Brasil, Fernando Capella.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G