GOVERNO

Câmara aprova a terceirização em qualquer atividade

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/04/2015 ... Convergência Digital

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta, 8/4, por 324 votos a favor, 137 contra e dias abstenções, o projeto de lei 4330/04, que permite a terceirização de qualquer atividade – portanto, não mais restritas ao que se convencionou chamar de ‘atividades-meio’. Apenas a administração pública fica de fora – mesmo estatais poderão contratar serviços externos para atuação na ‘atividade-fim’. É tema que interessa diretamente os 45 milhões de trabalhadores brasileiros, 12 milhões deles hoje terceirizados. 

Por acordo, foi aprovado o texto-base conforme substitutivo do relator Arthur Oliveira Maia (SD-BA), que já traz o principal ponto: “terceirização é a transferência, pela contratante, da execução de parcela de qualquer de suas atividades à contratada para que esta a realize na forma prevista nesta lei”. Os destaques serão votados na próxima semana – eles podem ser apresentados até a próxima terça-feira, 14.

Naturalmente, esse é também o principal ponto de discórdia. “Nosso problema é com a palavra ‘qualquer’ e vamos lutar até o fim para suprimi-la”, disse o líder do PT, Sibá Machado (AC). Mas não é o único. Há a responsabilidade solidária ou subsidiária das empresas contratantes com as questões tributárias, a representação sindical dos terceirizados, e mesmo a tentativa de incluir o serviço público nas mesmas condições da lei.

O relator chegou a fazer modificações de última hora na tentativa de endereçar alguns pontos. Por exemplo, incluiu a exigência de recolhimento antecipado de tributos por parte da contratante com base na fatura paga à contratada. Também propôs a manutenção do vínculo sindical do terceirizado ao mesmo sindicato que representa o empregado da contratante, se as empresas pertencerem à mesma categoria econômica.

Embora sem a manifestação da véspera, quando cerca de 2 mil pessoas participaram de um protesto organizado pela CUT diante do Congresso Nacional, a votação foi precedida de um dia de discursos pró e contra no Plenário. No lugar dos confrontos em frente ao Parlamento, pedidos de liminares ao STF para garantir o ingresso de sindicalistas – o presidente Eduardo Cunha impediu o ingresso na Câmara – e um Mandado de Segurança do PT para impedir a votação.

Os favoráveis sustentam, especialmente, que “o projeto vai colocar o Brasil na modernidade das relações de trabalho”, como resumiu o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS). Ou ainda, como descreveu José Carlos Aleluia (DEM-BA), supera “uma verdadeira lei que o TST estabeleceu de forma errada”. “Um país que quer ser uma economia moderna não pode proibir a especialização”, afirmou. “A Súmula do TST proíbe até contratar serviços de ‘nuvem’”, emendou.

Na prática o tema da terceirização acabou sendo disciplinado por dois posicionamentos do Tribunal Superior do Trabalho – primeiro, o Enunciado 256, que vigorou até 1993 e proibia a terceirização, depois substituído pela Súmula 331, que permitia trabalho terceirizado naquilo que chamou de “atividade-meio”, referindo-se a serviços de vigilantes, copeiros, etc.

Para os contrários, ao permitir a terceirização de qualquer atividade, o projeto de lei é sinônimo de precarização das relações de trabalho, uma vez que será do interesse das empresas substituir os contratos firmados sob a Consolidação das Leis do Trabalho por terceirizados, de forma a evitar os custos tributários associados à CLT.

“O Brasil já é, das 35 maiores economias do mundo, a sétima que pior remunera o trabalho. E estudos de universidades brasileiras mostram que, se a lei for aprovada, entre 8 a 10 anos 75% da mão de obra será terceirizada”, afirmou o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ). “Perguntem a qualquer trabalhador se ele acha que com essa lei o salário dele vai aumentar, se ele vai ter mais direitos”, provocou Alessandro Molon (PT-RJ).


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Pontes: Corte de 42% no orçamento deixa MCTIC 'com a corda no pescoço’

“Ao longo dos anos o ministério veio perdendo prestigio e o orçamento veio caindo. Precisamos de muito apoio para melhorar o orçamento para o ano que vem, porque  o deste ano já está feito”, afirmou o ministro Marcos Pontes.

Receita Federal decide cobrar IPI das impressoras 3D

Para o Fisco, a atividade de impressão em 3D caracteriza-se como uma operação de industrialização na modalidade de transformação.

"Espero que dinheiro da base de Alcântara não vire outro FUST", diz Marcos Pontes

Segundo explicou no Senado Federal, o acordo é uma autorização dos Estados Unidos para lançamentos de foguetes na base brasileira. Mas não há ainda definição de quem vai ficar com os recursos da operação comercial da base.

Félix Mendonça Junior (PDT-BA) é o novo presidente da CCT da Câmara

Parlamentar que dar atenção especial  para a discussão da chegada do 5G no Brasil e também nas novas tecnologias, entre elas, o reconhecimento facial.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G